“Fernando Medina é fruto de uma renovação de gerações”

António Costa anunciou, como já era expectável, que irá amanhã renunciar ao seu mandato na Câmara Municipal de Lisboa, uma vez que pretende dedicar-se ao PS e à campanha para as próximas eleições legislativas. O actual presidente da câmara abdicou assim de forma oficial das suas intenções iniciais de acumular o cargo com a liderança do PS.

ac

Foi neste contexto que, em declarações ao Panorama, Diogo Leão, deputado na Assembleia Municipal de Lisboa e Secretário-Geral Adjunto da JS, referiu a inevitabilidade da saída, tendo em conta “os objectivos nacionais a que se propõe e a missão que terá, como candidato a chefe de governo, de ouvir o país de norte a sul e estabelecer os diálogos necessários com o eleitorado, a sociedade civil, as forças económicas e os movimentos sociais”.

Embora reconheça que é o fim de um ciclo, Diogo Leão falou ainda de uma “renovação de gerações” que está a ter lugar a nível autárquico e que Fernando Medina poderá agora protagonizar, com a “devida continuidade a nível programático e de boas práticas de gestão”, se se confirmar que seja o substituto de António Costa. Leão referiu ainda que considera Medina um “conhecedor proundo das finanças” e um político “intelectualmente honesto”.

Já João Gonçalves Pereira, deputado e vereador da Câmara de Lisboa pelo CDS-PP, fez notar que haverá “vida para além de Costa”, sublinhando que o actual presidente da Câmara já se encontrava ausente relativamente às suas funções na instituição desde há algum tempo.

No entanto, João Gonçalves Pereira relembrou alguns problemas que ficam por resolver, como “questões pendentes na Câmara ligadas aos arruamentos e aos buracos”.

Estas declarações vêm juntar-se às reacções que se sucederam durante o dia um pouco por todo o espectro político, com Luís Montenegro, líder da bancada parlamentar do PSD, a acusar Costa de “mais uma vez” não concluir um mandato.

 Descomplicador:

Após ter vencido as primeiras eleições primárias do partido Socialista contra o então líder António José Seguro, António Costa abandona agora oficialmente as suas funções na Câmara de Lisboa para se dedicar por inteiro ao PS e as reacções sucedem-se.

 

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *