Concórdia entre EUA e Cuba veio para ficar

 Os Estados Unidos e Cuba parecem estar definitivamente na rota do entendimento. Na sétima cimeira das Américas, os presidentes dos dois países cumprimentaram-se e fizeram questão de mostrar que confiam um no outro. Raúl Castro, presidente cubano, classificou Barack Obama como “homem honesto” e prometeu que os cubanos não ficarão aprisionados ao passado. Por seu lado, o presidente norte-americano fez questão de dizer que “o tempo em que os Estados Unidos interferiam nos assuntos regionais acabou”.

raul castro e obama

Apesar do clima de concórdia entre os dois países, o presidente Raúl Castro fez questão de relembrar que seria importante os Estados Unidos levantarem o embargo imposto em 1962. Ainda assim, fez questão de dizer que Barack Obama “não tem responsabilidade nenhuma pelas políticas da Guerra Fria ou do Bloqueio”. De acordo com a Associated Press, esta é uma medida que está a ser atrasada com o intuito de conseguir que Cuba dê maior liberdade de movimentos aos diplomatas norte-americanos em solo cubano.

Este foi o primeiro encontro público entre Raúl Castro e Barack Obama após o anúncio do reatamento das relações diplomáticas entre os dois países. Aconteceu em Dezembro do ano passado, depois de 18 meses de negociações secretas e que tiveram a intermediação do Papa Francisco.

O período da Guerra Fria avolumou a tensão entre os dois países depois de Cuba se estabelecer como um forte aliado (pela proximidade geográfica com os EUA) da União Soviética. Ficaram célebres na História episódios como a Invasão da Baía dos Porcos, onde um grupo treinado por agentes da CIA tentou derrubar o governo cubano de Fidel Castro; a Crise dos Mísseis, um dos episódios mais tensos da Guerra Fria e que consistiu na colocação de mísseis nucleares soviéticos em solo cubano deixando o Mundo à beira de uma guerra nuclear; ou o embargo económico, comercial e financeiro dos Estados Unidos a Cuba (imposto em 1962, legislado em 1992 e em 1995 e alargado em 1999). Há ainda relatos de outras tentativas norte-americanas mal-sucedidas de derrubar o governo socialista cubano.

Descomplicador:

Depois de 56 anos de costas voltadas e de um embargo, os Estados Unidos e Cuba voltam a aproximar-se. Para a aproximação ser total e o embargo poder ser levantado, é preciso que o Congresso norte-americano aprove a medida. Ainda assim, não parece que isso seja um obstáculo tendo em conta a disposição dos dois países em ceder nas negociações.

xusvgz@vomoto.com'
Publicado por: Francisco Mendes

22 anos, natural de Moura, no Alentejo. Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Foi Director de Programas e Director-Geral da ESCS FM em 2011/2012 e 2012/2013 e é actualmente Director de Correcção Linguística da ESCS MAGAZINE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *