O adeus a Mariano Gago

Foi há cerca de duas horas que começou a enchente de mensagens e posts na imprensa portuguesa e redes sociais, com a notícia da morte precoce de Mariano Gago. O antigo ministro tinha 66 anos e batalhava com um cancro há dois, tendo sido, no entanto, vítima de morte súbita.

foto07

Ministro de António Guterres – o primeiro a assumir a pasta da Ciência e Tecnologia em Portugal – e posteriormente de José Sócrates, ficando também com o Ensino Superior, teve no seu apoio ao processo de Bolonha um dos momentos mais divisórios da sua carreira. No entanto, aquele que era actualmente presidente do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas reuniu nestas primeiras homenagens consenso à volta dos progressos que a sua actividade política alcançou.

Porfírio Silva, responsável pela comunicação do Partido Socialista, falou de Mariano Gago como “um exemplo de como deve ser a política”. Já Carlos Zorrinho, eurodeputado socialista, afirmou estar chocado, considerando a notícia uma “surpresa total”. Zorrinho disse considerar o amigo “uma das pessoas mais brilhantes” que já conheceu e classificou-o como um “servidor do bem comum”. João Torres, secretário-geral da Juventude Socialista, referiu-se a Gago na sua página de Facebook como um homem com “ visão e projecto”.

Não só individualidades afectas ao quadrante político de Gago se manifestaram. Também o LIVRE deixou uma mensagem sobre a morte do ex-ministro, postando uma nota de pesar na sua página. O partido liderado por Rui Tavares considerou que com o físico Portugal avançou “no bom sentido”, sendo este um “obreiro da realidade da geração mais qualificada de sempre em Portugal”. Marisa Matias falou de um homem que fez da política “uma missão e não um slogan”, afirmando que o seu nome será sempre associado à ciência em Portugal

Mariano Gago foi objecto de diversas distinções: a Comenda da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada, a 10 de junho de 1992; a distinção da Grã-Cruz da Ordem de Isabel a Católica, em Espanha, em 2007, e dois anos depois, a de Grã-Cruz com Estrela da Ordem do Mérito, na Alemanha.

O corpo do ex-ministro será levado ainda hoje para a Basílica da Estrela, sendo que deverá seguir após os serviços fúnebres para Penhão, Algarve, local de origem da sua família.

Descomplicador:

Mariano Gago, físico e ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior nos governos de António Guterres e José Sócrates faleceu hoje, aos 66 anos, vítima de doença súbita. As reacções já surgem nos diversos quadrantes políticos.

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *