A nova Troika do “bom aluno”

Uma Europa financeiramente mais estável. Foi a ideia que Pedro Passos Coelho apresentou esta Sexta-feira, num debate sobre o Estado da União em Florença. O Panorama apresenta agora os pontos principais enunciados pelo primeiro-ministro português:

1. Um mecanismo pela estabilidade

A ideia apresentada consiste num seguro que garanta a estabilidade dos países membro em futuras crises e financie parcialmente os fundos de desemprego. Os apoios fornecidos seriam de ordem técnica e financeira.

Fundamental também seria criar uma união bancária, a “única forma” de fomentar a confiança no euro.

Passos Coelho

2. Que modelo?

O Fundo Monetário Europeu (FME) de Passos Coelho teria acesso a recursos próprios, para não ter de depender das transferências de Estados-membro – Passos acredita que esta pode ser uma fonte de tensão dos cidadãos de uns e outros Estados-membro. Assim, contaria com capacidade financeira para reformas estruturais nacionais e projetos de investimento na modernização de estruturas.

Quanto à organização, caberia ao Eurogrupo coordenar o FME, sendo então necessário “um presidente permanente no Eurogrupo” indicado pelo Conselho Europeu. O presidente em questão seria passível de escrutínio pelo Parlamento Europeu.

3. Para quando?

Pedro Passos Coelho não hesitou em avançar com as diligências para apresentar a ideia rapidamente: segundo o primeiro-ministro, a proposta deverá ser discutida já em Julho, no próximo Conselho Europeu, e portanto seguiu já para os presidentes da Comissão Europeia, Conselho Europeu e Banco Central Europeu.

4. Porquê agora?

Passos explicou que há neste momento uma “experiência significativa” em lidar com crises dentro do espaço europeu. Sendo assim, para o primeiro-ministro português é necessária uma reforma estrutural da zona euro, para que não se assista a um “aumento das divisões internas e conflitos”. É por estas razões que pode ser útil, para Passos Coelho, dispensar a ajuda do Fundo Monetário Internacional em situações de crise: a novidade representaria “uma evolução”, ou seja, “a Europa resolver os seus próprios problemas”.

Descomplicador:

Passos Coelho defendeu esta Sexta-feira a ideia de criar um Fundo Monetário Europeu para substituir o FMI em situações de crise e conseguir que a Europa resolva “os próprios problemas”. O objectivo do Primeiro-ministro é que a proposta seja discutida já em Julho, no próximo Conselho Europeu.

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *