Mariana Mortágua deixa aviso à navegação

A deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, voltou a destacar-se nas críticas à gestão do Grupo Espírito Santo e ao seu recente colapso. Em plenário, e na discussão do relatório final da comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/GES, Mariana Mortágua defendeu que “é preciso perder o medo em relação aos donos disto tudo”, aludindo à expressão pela qual era conotado Ricardo Salgado, recusando “que fique tudo na mesma”.

Apesar dos elogios dirigidos a Fernando Negrão e Pedro Saraiva, presidente e relator da investigação, respectivamente, as bancadas parlamentares alertaram para o facto de urgir uma regulação mais eficaz sobre a banca. Mas foi Mariana Mortágua, no seu habitual registo que tanta tinta fez correr ao longo destes últimos meses, especialmente nas comissões de inquérito, que protagonizou as declarações mais críticas para com o sistema. A deputada apelou ao fim do estado de “negação” num país que, segundo a sua óptica, se recusa a encarar a realidade de uma banca “opaca” e “endividada”.

mortOs recentes elogios de Pedro Passos Coelho a Dias Loureiro não passaram em claro. À imagem daquilo que aconteceu no debate quinzenal da passada quarta-feira, no qual Catarina Martins criticou duramente o Primeiro-Ministro por ocasião das suas controversas declarações, Mariana Mortágua também trouxe à baila esse assunto. E para isso recorreu à ironia, afirmando o seguinte no hemiciclo: “Imaginemos que estávamos em Maio de 2022 e o Primeiro-Ministro apresentaria Ricardo Salgado como um exemplo a seguir”.

O relatório final sobre este caso vem na sequência de uma série de comissões parlamentares de inquérito que remexeram em todo o colapso do GES. Entre todos os inquiridos, sem dúvida de que Ricardo Salgado, ex-presidente do Banco Espírito Santo, foi a personalidade mais interrogada e que mais vezes foi visada por Mariana Mortágua. Numa altura em que ainda muita coisa está por explicar em relação a este caso, e depois do escândalo do BPN que teve consequências nefastas para a economia portuguesa, esta problemática do BES/GES ainda motiva inúmeras reacções, sendo o Banco de Portugal uma das entidades mais criticadas em todo este processo.

Descomplicador:

Mariana Mortágua voltou a destacar-se nas conclusões sobre a comissão de inquérito ao Grupo Espírito Santo, atacando também o actual Primeiro-ministro pelos elogios feitos recentemente a Dias Loureiro.

xlhvve@grandmasmail.com'
Publicado por: João Rodrigues

26 anos, natural das Caldas da Raínha. Finalista de Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social. Foi coordenador de Desporto na ESCS FM no ano 2013/2014, mantendo actualmente um programa na grelha da rádio. É ainda repórter na JVG TV e sou redactor do site desportivo "Bola na Rede".

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *