Grécia cada vez mais pressionada

À margem da reunião do G7 que ocorreu hoje na Alemanha, alguns dos líderes dos países mais poderosos do mundo pronunciaram-se sobre o impasse que se vive neste momento entre a Grécia e os credores. 

As negociações para acordar os termos dos próximos empréstimos ao país helénicos não têm sido fáceis e os líderes de todo o mundo estão atentos a esta situação.

No mesmo dia em que Yanis Varoufakis esteve reunido com o seu homólogo alemão, numa conversa que ministro das finanças grego apresentou como “amigável” e “útil”, houve quem quisesse alertar o povo grego para os perigos que correm caso não seja alcançado um acordo.

Angela Merkel, a Chanceler alemã, avisou que “não resta muito tempo à Grécia” e que é necessário pôr em marcha um plano de reformas que convença os credores. Matteo Renzi, o primeiro-ministro italiano, foi mais longe e disse mesmo que seria “impensável” que Itália ajudasse a Grécia a manter um sistema de pensões mais generoso do que o italiano.

Do outro lado do Atlântico, o tema não tem ficado de parte. Barack Obama, que veio à Alemanha reunir com o G7 para garantir que a Europa está unida na questão ucraniana, afirmou que “a Grécia tem de ser séria” para poder alcançar um acordo que satisfaça não só os credores mas também a economia grega.

Ficaram assim dados os avisos numa semana que tsiprasse pode revelar decisiva para a Grécia, já que nesta quarta-feira Merkel e Tsipras vão estar reunidos à margem da II Cimeira União Europeia- Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), em Bruxelas. O primeiro-ministro grego pode ainda aproveitar a viagem à Bélgica para se reunir com Jean-Claude Junkcer.

Recorde-se que na passada sexta-feira o primeiro-ministro grego subiu o tom da discussão ao classificar a proposta dos credores “irracional”, deixando assim claro que a Grécia não assinaria nenhum acordo com condições que agradassem apenas aos credores.

Descomplicador:

A Grécia e os credores têm tentado chegar a um consenso, mas as cedências de parte a parte têm sido insuficientes para que se alcance o acordo. Esta semana pode ser determinante para o desenrolar desta situação devido às reuniões que Alexis Tsipras vai manter na próxima quarta-feira, em Bruxelas.

Publicado por: José Pedro Mozos

22 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Socia e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Foi comentador num programa da rádio da sua faculdade sobre actualidade política; editor de música da ESCS Magazine e escreveu para o site Bola na Rede. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, é jornalista na SIC Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *