Grécia cada vez mais pressionada

À margem da reunião do G7 que ocorreu hoje na Alemanha, alguns dos líderes dos países mais poderosos do mundo pronunciaram-se sobre o impasse que se vive neste momento entre a Grécia e os credores. 

As negociações para acordar os termos dos próximos empréstimos ao país helénicos não têm sido fáceis e os líderes de todo o mundo estão atentos a esta situação.

No mesmo dia em que Yanis Varoufakis esteve reunido com o seu homólogo alemão, numa conversa que ministro das finanças grego apresentou como “amigável” e “útil”, houve quem quisesse alertar o povo grego para os perigos que correm caso não seja alcançado um acordo.

Angela Merkel, a Chanceler alemã, avisou que “não resta muito tempo à Grécia” e que é necessário pôr em marcha um plano de reformas que convença os credores. Matteo Renzi, o primeiro-ministro italiano, foi mais longe e disse mesmo que seria “impensável” que Itália ajudasse a Grécia a manter um sistema de pensões mais generoso do que o italiano.

Do outro lado do Atlântico, o tema não tem ficado de parte. Barack Obama, que veio à Alemanha reunir com o G7 para garantir que a Europa está unida na questão ucraniana, afirmou que “a Grécia tem de ser séria” para poder alcançar um acordo que satisfaça não só os credores mas também a economia grega.

Ficaram assim dados os avisos numa semana que tsiprasse pode revelar decisiva para a Grécia, já que nesta quarta-feira Merkel e Tsipras vão estar reunidos à margem da II Cimeira União Europeia- Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), em Bruxelas. O primeiro-ministro grego pode ainda aproveitar a viagem à Bélgica para se reunir com Jean-Claude Junkcer.

Recorde-se que na passada sexta-feira o primeiro-ministro grego subiu o tom da discussão ao classificar a proposta dos credores “irracional”, deixando assim claro que a Grécia não assinaria nenhum acordo com condições que agradassem apenas aos credores.

Descomplicador:

A Grécia e os credores têm tentado chegar a um consenso, mas as cedências de parte a parte têm sido insuficientes para que se alcance o acordo. Esta semana pode ser determinante para o desenrolar desta situação devido às reuniões que Alexis Tsipras vai manter na próxima quarta-feira, em Bruxelas.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *