Associações Académicas contra a distinção de licenciaturas

Associações Federações AcadémicasApós o anúncio da contratação de 23 assessores parlamentares por parte da Assembleia da Republica, as associações e federações académicas tomaram uma posição conjunta contra a distinção das licenciaturas pré-Bolonha e pós-Bolonha. Ao todo são onze as estruturas que tomaram esta posição conjunta contra o processo de contratação em particular e contra a distinção em geral.

No comunicado difundido pelas estruturas académicas, as associações e federações relembram o Governo que “a Declaração de Bolonha foi assim um compromisso voluntário de cada país com a intenção de reformar o seu próprio sistema de ensino, reforma essa que nunca foi imposta aos governos ou instituições de ensino superior”, recordando que “Portugal, sendo um dos países subscritores de Bolonha, participou nesta corrente de mudança e de harmonização, sendo que tal processo tem a sua grande expressão em 2008/2009 quando grande parte dos cursos foi adaptada a Bolonha”.

As associações e federações académicas esclarecem assim que o processo de contratação dos assessores parlamentares “deixa sérias dúvidas e inquietações às federações e associações académicas e de estudantes subscritoras deste documento”. Os subscritores deste documento afirmam então que “não se entende como é que a Assembleia da República que aprova o processo em 2005 vem agora, anos após a sua já implementação e estabilização, renunciar aos princípios base da sua génese, não aceitando candidaturas de diplomados pós-Bolonha”.

Processo de BolonhaAs estruturas académicas acusam o Parlamento de acentuar uma “discriminação negativas a todos os licenciados ao abrigo deste processo, contribuindo de forma clara para a desvalorização destes licenciados, afirmando publicamente ao país que “a carreira de assessor parlamentar é uma carreira especial, que requer elevadíssima exigência”, criando uma inadmissível distinção do pré e pós-Bolonha”.

As associações e federações académicas pedem assim que “sejam alterados os concursos entretanto abertos bem como o estatuto que dá cobertura às exigências consideradas”. Este documento é assinado pela associação académica de Lisboa, Algarve, Universidade de Aveiro, Universidade da Beira Interior, Universidade de Évora, Universidade do Minho, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, pelas federações académicas de Lisboa e Porto e ainda pelas federações nacionais de Associações de Estudantes do Ensino Superior Politécnico e do Ensino Superior Particular e Cooperativo.

Descomplicador:

As associações e federações académicas tomaram uma posição conjunta sobre a distinção de licenciaturas pré-Bolonha e pós-Bolonha. A polémica começou após o lançamento de concursos para a contratação de assessores parlamentares, por parte da Assembleia da Republica.

 

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *