III Conferência Nacional do Bloco de Esquerda: Grécia, Passos e o futuro

Está a decorrer durante este domingo a III Conferência Nacional do Bloco de Esquerda, sob o mote “Recuperar o que é nosso, doa a quem doer”, em Coimbra. A líder bloquista já discursou e apresentou os convidados exteriores ao partido, na sessão de abertura que tem por objetivo aprovar o manifesto eleitoral.

As propostas do Bloco

Catarina MartinsO documento eleitoral, apresentado pela primeira vez na passada quinta-feira, resume-se em cinco pontos base: a rejeição da austeridade, a criação de emprego em boas condições, um Estado Social moderno, a justiça e a igualdade e o desenvolvimento sustentável de bens comuns. Como principais bandeiras, o Bloco propõe duas medidas para fazer face à atual situação de crise: a reestruturação da dívida e uma “revolução fiscal”. Quanto à dívida, o que se discute é um abatimento de 60%, com taxa de juro de 1,5% e pagamento entre 2022 e 2030. Para mais, estaria incluída uma auditoria à dívida para garantir a transparência do processo.

De recordar que esta semana, na redação do Jornal de Negócios, Catarina Martins afirmou que a reestruturação da dívida seria a primeira medida de um Bloco de Esquerda no governo, de forma que o pagamento fosse proporcional ao crescimento da economia portuguesa.

Por outro lado, a mencionada “revolução fiscal” destina-se a uma melhor distribuição da riqueza, taxando as grandes fortunas e os bens de luxo e acabando com a isenção de IMI para a igreja, partidos políticos e colégios privados, assim como reduzindo, por outro lado, o IVA da restauração, água e eletricidade.

Mais uma vez, o Bloco de Esquerda marcou posição também no que toca à regulação da atividade bancária, exigindo mais transparência e menos situações de “abuso e contágio” na sequência do caso BES.

O discurso anti-Passos

Catarina Martins fez, no seu discurso de abertura, questão de sublinhar as “mentiras” do primeiro-ministro. “Durante estes anos, foram cortados os rendimentos de quem menos tem. Passos Coelho mente quando diz o contrário. Durante estes anos, aumentou-se a taxa do IVA. Passos Coelho mente quando diz o contrário. Durante estes anos, o Governo apelou à emigração. Passos Coelho mente quando diz o contrário”. A líder do partido ironizou sobre Passos Coelho ter dito que o apelo à emigração não passava de um “mito urbano”, afirmando que o primeiro-ministro parece pensar que os portugueses são “crianças sem capacidade para compreender o que diz”, “lentas” ou “lerdas de entendimento”.

A situação entre Grécia e credores

Outro dos pontos focais da sessão de abertura foi a situação grega, que a bloquista disse estar a trazer “a vida das pessoas” ao centro do debate. Numa altura em que se vivem momentos tensos nas negociações, Catarina Martins sublinhou que está solidária com os cidadãos gregos pela “democracia e dignidade”.

Descomplicador:

Está a decorrer hoje a III Conferência Nacional do Bloco de Esquerda, sob o mote Recuperar o que é nosso, doa a quem doer”, com o objetivo de aprovar o manifesto eleitoral do partido.

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *