PDR: tensões na eleição do Conselho Nacional

O PDR (Partido Democrático Republicano) elegeu ontem o seu Conselho Nacional após uma semana de tensões e divergências internas. O novo Conselho Nacional está ligado ao fundador Marinho e Pinto em 24 dos 25 lugares e é liderado por Sérgio Passos, que afirmou na sequência da eleição que esta é a prova de que o PDR fará “alianças com os portugueses e não com outras alianças”. Já Marinho e Pinto considerou que o partido saiu “unido” da eleição, após alguns dias conturbados.

Marinho e PintoAs tensões começaram com as críticas de Eurico Figueiredo, ex-deputado do PS. No meio de acusações violentas, o outrora firme apoiante de Marinho e Pinto acusou o líder do partido de ser “fascista” e um “falso profeta”, deixando insinuações de apoios diferentes às várias listas concorrentes ao Conselho Nacional. Já no rescaldo da eleição, o ex-socialista disse em entrevista ao i que o acto foi “uma vergonha” que contou com a “humilhação” de Marinho e Pinto dos membros da lista C, anteriormente encabeçada por si. Figueiredo esclareceu que acredita ter havido ilegalidades nos procedimentos para a eleição, nomeadamente na utilização do voto por correspondência. “Não é aceitável o voto por correspondência dado que o artigo 12 dos estatutos do PDR, exigem, na eleição do Conselho Nacional, que este seja eleito por sufrágio direto e secreto de todos os militantes. Acontece que o voto por correspondência nem é direto, nem secreto, dado que obriga a que o nome do votante seja indicado no envelope interior”.

Na mesma entrevista ao i, Figueiredo acusou Marinho e Pinto de ser um homem “perigoso para a democracia portuguesa” e que acredita que “queira fazer alianças com o Diabo”, classificando ainda Marinho e Pinto como um “vigarista”. Já o líder do PDR respondeu chamando às acusações do seu ex-cabeça de lista “acusações tresloucadas”.

O advogado considerou que a eleição, na qual participou mais de um milhar de militantes, ocorreu com a máxima tranquilidade e serenidade possível. Marinho e Pinto ironizou ainda as acusações de fascismo feitas pelo seu antigo apoiante.

Descomplicador:

O Partido Democrático Republicano elegeu ontem um Conselho Nacional ligado a Marinho e Pinto, após uma semana de desavenças entre o fundador e o seu outrora apoiante, o ex-deputado socialista Eurico Figueiredo.

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *