Tsipras pede aos gregos para decidirem o futuro

tsiprasO Primeiro-Ministro grego, Alex Tsipras não respondeu ao ultimato do Eurogrupo e dos credores. O líder do Governo do Syriza anunciou ao povo grego a realização de um referendo para que seja o povo a decidir qual deve ser o caminho a tomar na relação com os credores e com a União Europeia. O Eurogrupo continua a não facilitar e agora rejeitou a extensão do programa até ao próximo Domingo.

Tsipras disse num discurso que muitos classificaram como histórico que irá respeitar o resultado da consulta popular seja ele qual for. Na noite de Sexta-Feira, o Primeiro-Ministro grego disse que “durante este período de negociações, pediram-nos que implementássemos os acordos negociados com o governo anterior através dos memorandos, apesar de categoricamente condenados pelo povo grego nas recentes eleições” adiantando no entanto que o Governo nunca pensou em render-se o que seria “trair a confiança de quem nos elegeu”.

O Primeiro-Ministro eleito pelo Syriza disse que a Grécia foi alvo de um “ultimato que contraria os princípios e valores que fundaram a Europa, os valores do nosso projecto comum europeu”, dizendo que este é o momento em que “pesa sobre os nossos ombros a responsabilidade histórica para com as lutas e os sacrifícios do povo grego pela consolidação da democracia e soberania nacional”, anunciando assim o referendo popular que vai perguntar se os gregos “devem aceitar a proposta das instituições?”.

Alex Tsipras pede assim à Grécia que “à chantagem do ultimato que nos pede para aceitar uma severa e degradante austeridade sem fim e sem qualquer perspectiva de recuperação económica e social,  que respondam de forma soberana e orgulhosa, tal como exige a história do povo grego”, acreditando que “a Grécia, o berço da democracia enviará uma sonora resposta democrática à Europa e ao mundo”. Ainda assim o Primeiro-Ministro grego referiu que “a Grécia é e será parte integral da Europa e a Europa é uma parte integral da Grécia. Mas sem democracia, a Europa será uma Europa sem identidade e sem bússola”.

Eurogrupo não prolonga programa por uma semana. Varoufakis abandona reunião

VaroufakisEntretanto os Ministros das Finanças da Zona Euro estiveram reunidos durante o dia de ontem, Sábado, e não aceitaram a extensão do programa até ao próximo Domingo, data de realização do referendo. Após a recusa em prolongar o programa, o Ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, abandonou a reunião surpreendendo os restantes ministros europeus.

Ainda assim, no comunicado difundido após a reunião do Eurogrupo, o presidente da estrutura garantiu que a “porta está aberta a conversações” e que a Grécia continua “a fazer parte da Zona Euro”, não entendendo assim que o fim do programa a 30 de Junho implique automaticamente decisões radicais no que toca ao Euro.

O Syriza já fez saber que vai apoiar e incentivar o voto no não de forma a não ter de aceitar o acordo da troika e das restantes instituições, acordo esse de que foi frontalmente contra desde que se apresentou a eleições.

Descomplicador:

A Grécia vai realizar um referendo para decidir que decisão vai tomar relativamente à gestão da divida e à relação com a troika e com a União Europeia. O referendo vai realizar-se no próximo Domingo, mas o Eurogrupo não aceitou o prolongamento do programa por uma semana.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *