EUA e Irão perto de acordo sobre armas nucleares

Os líderes das principais potências mundiais e do Irão estão perto de alcançar um entendimento quanto ao uso de armas nucleares. Os intervenientes têm estado reunidos em Viena ao longo das duas últimas semanas e o acordo parece estar muito perto de estar selado.

Neste momento existem dois cenários possíveis: um, que passa por levantar as sanções impostas ao Irão a troco da garantia de que o país vai congelar temporariamente o acesso à bomba nuclear; e outro, que se trata de não haver qualquer tipo de compromisso sob pena de haver, desta forma, um aumento das tensões.

john kerryDe entre estas duas possibilidades, a existência do acordo parece ser a solução que está mais próxima. Depois de avanços e recuos e do incumprimento de três datas limite – 30 de Junho, 7 de Julho e 10 de Julho -, o anúncio de que as negociações chegaram a bom porto está iminente e deve ser avançado entre a noite de hoje e o dia de amanhã.

O secretário de estado John Kerry respondeu aos jornalistas que este é o momento “de tomar decisões reais”, ao passo que Laurent Fabius, o seu homólogo francês, disse acreditar que as negociações estão a entrar “finalmente na última fase”.

O conselheiro do Ministro do Exterior iraniano, Alireza Miryousefi, escreveu no Twitter que o acordo está ao alcance dos negociadores, afirmando que “nesta altura apenas requer vontade política”.

Ao que tudo indica o acordo deve ser ultimado hoje e enviado durante a madrugada para os respectivos governos. Caso não se levante nenhuma objecção ao longo do processo, o acordo pode mesmo ser anunciado ao longo do dia de amanhã.

Descomplicador:

O acesso a armas nucleares tem sido uma das preocupações maiores das principais potencias mundiais. Nesse contexto, foram impostas sanções internacionais ao Irão. Com o objectivo de evitar que o Irão continue a aceder a armas nucleares, foram mantidas reuniões ao longo das duas últimas semanas para chegar a um acordo que possa beneficiar o Irão (levantamento das sanções) a troco de um abrandamento no acesso a armas nucleares.

Publicado por: José Pedro Mozos

22 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Socia e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Foi comentador num programa da rádio da sua faculdade sobre actualidade política; editor de música da ESCS Magazine e escreveu para o site Bola na Rede. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, é jornalista na SIC Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *