Henrique Neto teria dissolvido Parlamento com a saída de Durão Barroso

Henrique NetoHenrique Neto esteve no Sábado numa palestra promovida pela distrital de Leiria da Juventude Popular, onde falou sobre o papel do Presidente da Republica. Nessa palestra Henrique Neto admitiu que “teria dissolvido a Assembleia da República quando o Dr. Durão Barroso decidiu ir para a Europa”, alegando para esta decisão o “contrato que assumiu de quatro anos com os portugueses”.

O candidato garantiu que teria “dito ao Dr. Durão Barroso que ele tinha feito um contrato com os portugueses, de quatro anos, e que esse contrato seria para cumprir”, aproveitando para evidenciar a importância do papel do Presidente da República numa decisão desta dimensão, sendo que “tem três tipos de importância: na decisão em si (a Assembleia é ou não dissolvida); para o futuro, porque cria um precedente – aquilo que foi feito vai ser interpretado e acontecer no futuro; em terceiro lugar, tem importância pedagógica: quando eu era empresário sempre chamei à atenção dos meus colaboradores que, em qualquer decisão, o factor mais importante era a pedagogia”.

A pergunta, que foi feita por um jovem que interveio no final da sessão subordinada ao tema “O que se pode esperar da figura do Presidente da República?”, tinha como objectivo esclarecer a posição de Henrique Neto na decisão da dissolução da Assembleia de República tomada por Jorge Sampaio no Governo liderado por Santana Lopes.

Henrique Neto defendeu nesta palestra que decorreu no Auditório Municipal do Bombarral que o “Presidente da República ter três poderes que não são institucionais: a visibilidade, pois pode dirigir-se aos portugueses devido à sua visibilidade pública enorme; a capacidade de antecipar a evolução da política, economia, ciência – deve ser uma pessoa extremamente informada e perspectivar o futuro sabendo o passado”, acrescentando ainda que “ao antecipar, terá o poder de chamar o Governo à atenção; e, por último, o poder de passar a mensagem”.

Candidato presidencial pede a partidos estratégia comum para a dívida

Henrique NetoO candidato presidencial Henrique Neto escreveu a todos os partidos políticos portugueses, questionando-os sobre as suas posições relativamente à forma como poderia e deveria ser gerida a questão da dívida portuguesa, e desafiando-os, igualmente, a encontrarem uma posição comum sobre a resolução do problema da dívida portuguesa.

O candidato sugere que os partidos apresentem à União Europeia (UE) propostas para uma nova abordagem do problema da dívida, que evite a imposição de medidas de austeridade aos portugueses, e alerta para a necessidade de prevenir uma nova situação de especulação dos mercados.

Henrique Neto defende claramente que “a dívida pública deve ser paga”, e pergunta aos partidos como pensam que “a questão da dívida poderia e deveria ser gerida, com respeito pelo aprofundamento do compromisso europeu, e ao mesmo tempo dispensando-se a intervenção do FMI?”. Aos partidos defensores da reestruturação da dívida, questiona particularmente, se estariam “disponíveis para a construção duma posição portuguesa consensual a apresentar à União Europeia?”.

Descomplicador:

Henrique Neto disse numa conferência organizada pela JP Distrital de Leiria que “teria dissolvido a Assembleia da Republica com a saída do Dr. Durão Barroso”, sublinhando também o papel importante do Presidente da Republica na imagem da soberania portuguesa.

 

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *