Juncker revela que Portugal recusou discutir dívida grega

O Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou que Portugal, Espanha e Irlanda se manifestaram contra um alívio da dívida grega antes de Outubro. Em entrevista ao diário belga Le Soir, o político luxemburguês disse acreditar que tal oposição se deve à data das eleições legislativas que vão existir nestes três países.

Tsipras JunckerOs assuntos abordados ao longo de toda a entrevista prendiam-se com a crise grega e com as longas negociações que ocorreram ao longo do ano para que se conseguisse chegar a um acordo como aquele que foi alcançado no passado 13 de Julho. Ao responder a uma questão que se prendia com o facto de a dívida grega ser ou não sustentável, Juncker avançou que ele próprio sugeriu que a discussão sobre esta temática se fizesse após o executivo de Tsipras “ter aplicado as primeiras medidas de fundo”. Terá sido a esta proposta que Portugal, Espanha e Irlanda se opuseram.

Nas palavras do Presidente da Comissão Europeia: “Eu, no primeiro texto que os gregos recusaram, tinha escrito Outubro, para que Tsipras tivesse uma conquista. Mas essa data acabou por ser rejeitada, porque alguns países, Irlanda, Portugal, Espanha, não queriam que isso acontecesse antes das eleições”. Jean~Claude Juncker acrescentou mesmo que os três países “ficaram furiosos” com ele.

Confrontado com este assunto, Pedro Passos Coelho alegou que Portugal, Espanha e Irlanda pediram que a discussão sobre a sustentabilidade da dívida grega tivesse lugar “após a primeira avaliação [do novo resgate]” ter sido “bem sucedida”. O Primeiro-Ministro português acredita que Juncker deve ter feito “alguma confusão”, até porque, segundo disse Passos Coelho, “o que estava previsto era que essa discussão fosse em Outubro, sempre depois das eleições que teremos em Portugal”.

A elevada dívida grega, que representa 180% do PIB do país, deverá mesmo ser revista e o alívio deve passar pelo prolongamento dos prazos de pagamento assim como a redução dos juros.

Descomplicador:

Jean-Claude Juncker afirmou que Portugal, Espanha e Irlanda se opuseram a que se discutisse a sustentabilidade da dívida grega antes do fim da primeira avaliação ao novo plano de resgate. Para o Presidente da Comissão Europeia, o motivo por trás da recusa é a data das eleições legisltavis nestes países.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH – Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *