Nova votação no parlamento grego aprova reformas

Alex Tsipras, primeiro-ministro grego, tem novo balão de oxigénio: o parlamento do seu país aprovou esta madrugada o pacote de reformas acordado entre a Grécia e os credores. Desta vez, houve 230 votos a favor, 63 contra e 5 abstenções, após seis horas de debate. A maior dúvida residia no sentido de voto dos deputados do Syriza, e aqui também houve boas notícias para Tsipras, que tinha apelado à união: os votos contra a as abstenções diminuíram, desde a última votação, de 39 para 36.

VaroufakisUma das novidades de maior destaque foi a mudança no sentido de voto de Yanis Varoufakis, que desta vez aprovou o pacote de medidas, argumentando que a reforma do código civil e a proteção dos depósitos bancários foram propostas suas, quando era ministro das Finanças.

Mas nem tudo correu bem a Tsipras: o acordo continua a não ser consensual dentro do próprio executivo. O primeiro-ministro grego apelou ao voto a favor do pacote de medidas alegando que é necessário atender ” às preocupações e as expectativas de milhares de pessoas que depositaram a sua esperança”. Ainda assim, e como o próprio já admitiu, Tsipras não acredita no acordo: “temos de utilizar cada aliança na Europa para melhorar o acordo final”.

Em agosto terá lugar a votação do terceiro pacote de “ações prioritárias”, dentro das quais se incluirão alterações às reformas antecipadas. No pacote agora aprovado, inclui-se uma reforma do código civil (que data de 1967 e, de acordo com o argumento dos credores internacionais, atrasa e encare os processos judiciais), um esquema de proteção dos depósitos bancários e medidas para o reforço da liquidez dos bancos.

Descomplicador:

O parlamento grego aprovou hoje novo pacote de medidas acordado com os credores, encontrando menos obstáculos dentro do próprio governo.

 

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *