Cinco argumentos que o Huffington Post pode usar contra Donald Trump

“Não mordemos o isco. Se está interessado naquilo que ‘o Donald’ tem para dizer, encontrará o que procura ao lado das nossas histórias sobre as Kardashian”. Foi desta forma que o Huffinton Post anunciou na passada quarta-feira que irá passar a noticiar a campanha de Donald Trump às eleições presidenciais norteamericanas na secção de entretenimento, argumentando que as atitudes do republicano representam um “espetáculo à parte”. O Panorama recupera agora cinco momentos polémicos que podem estar na base da decisão, relacionados com indíviduos de outra nacionalidade, raça ou sexo:

DONALD-TRUMP

1. Como esquecer o anúncio formal da candidatura às eleições primárias do Partido Republicano? Foi este mês que Trump acabou por ver inúmeros contratos com empresas suas cancelados, na sequência de ter sugerido a construção de um “grande muro” que separasse os Estados Unidos e o México – pago por este último – para impedir a imigração ilegal. Trump afirmou ainda que parte desses imigrantes são “criminosos e violadores” e defendeu as afirmações nas várias entrevistas que deu após a polémica intervenção.

2. Em novembro do ano passado, Trump anunciou que durante muito tempo “não haverá outro presidente negro”. Isto, “tristemente”, por causa do seu “mau trabalho” enquanto presidente dos EUA. Aquando da primeira eleição de Obama, o bilionário tinha já inferido que as sondagens favoreciam Obama devido ao número de votantes negros, assegurando que embora os valores fossem “muito assustadores”, sempre teve uma “ótima relação com negros”.

3. Noutro ataque a Obama, Trump desafiou o líder dos EUA, em 2011, a provar que nascera em solo norteamericano. Na altura, o bilionário alegou que tinha pessoas a trabalhar no caso e que estas não acreditavam no que estariam a encontrar. Trump chegou a oferecer-se para doar 5 milhões a uma organização de caridade à escolha do presidente se estivesse enganado. Obama acabou com as dúvidas expondo publicamente a sua cédula de nascimento.

4. Em 2004, Trump afirmou que “todas as mulheres” que participaram no seu programa televisivo The Apprentice, sobre gestão de negócios, o tentaram seduzir. Recuando até 1999, outro comentário sobre o sexo aposto que agitou os ânimos: “a diferença entre mim e os outros candidatos é que eu sou mais honesto e as minhas mulheres são mais bonitas”.

5. Há anos que Donald Trump assegura “adorar a China”, apoiando-se em diversos argumentos. No anúncio da candidatura presidencial, Trump revelou que acabara de vender a “alguém da China” um apartamento por 15 milhões de dólares. A seguir, questionou: “como é que poderia não adorar a China?”. No entanto, já em 2011 Trump alegada conhecer excecionalmente o povo chinês, por ter lido já muito sobre ele e “fazer muito dinheiro” com ele. Mas nem tudo são elogios: neste tweet, o bilionário acusou a China de “criar o conceito” de aquecimento global.

tweet

Descomplicador:

O Candidato às primárias republicanas, Donald Trump, sempre se revelou polémico. Agora, o Huffington Post decidiu cobrir a sua campanha na secção entretenimento.

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *