Director da TVI justifica saída de Santos Silva com “falta de decência”

O director de informação da TVI, Sérgio Figueiredo, respondeu hoje em crónica no Diário de Noticias à saída do ex-Ministro Augusto Santos Silva, que nas últimas semanas muita tinta tem feito correr. Sérgio Figueiredo transcreve para a crónica emails integrais trocados com Santos Silva e diz que o ex-Ministro saiu porque foi “malcriado” e não por ser uma voz incómoda.

O longo texto de Sérgio Figueiredo começa por falar sobre a cobardia, do qual foi acusado por Augusto Santos Silva, ex-comentador da TVI24, no programa Os Porquês da Politica. O director de informação da TVI diz que “pregam a moral pública, defendem o interesse coletivo, promovem valores abstratos, falam em nome de todos. Mas, na essência, agem única e exclusivamente em função de si mesmos”, referindo-se assim ao ex-Ministro de Guterres e Sócrates.

images (2).jpegsantos silvaSérgio Figueiredo esclarece que recebeu um email por parte de Santos Silva a dar conta de alguns problemas com o espaço de comentário que mantinha na TVI24, ao qual o director de informação respondeu mostrando-se disponível para encontrar uma solução para os problemas, sugerindo mesmo um encontro na apresentação do livro que lançou com base no programa no Porto.

O director do canal justifica as mudanças de horário com uma nova linha de actuação, onde a TVI dá prioridade aos temas do momento em detrimento dos comentários habituais e estáticos do canal. Os problemas entre Sérgio Figueiredo e Santos Silva começam no entanto depois da primeira troca de emails, quando Santos Silva no fim de obter resposta de Sérgio Figueiredo coloca um post na sua página do Facebook.

Sérgio Figueiredo conta que enviou logo após a publicação de Santos Silva um novo email ao ex-Ministro dizendo que “quando me deparei com este seu “desabafo” público senti-me estúpido. Deveria ter percebido, logo no primeiro mail que me enviou, que não tinha vontade de continuar a colaborar com a TVI. Evidentemente que, se pensa isto desta gente que por aqui anda, então não deverá sentir-se bem na nossa companhia” e perguntando-lhe se queria “enviar a carta pedindo a renúncia do contrato ou prefere que seja eu a poupá-lo dessa maçada”.

O director de informação dos canais da TVI aborda ainda o ataque em directo que Augusto Santos Silva fez contra a TVI, lamentando que tenha posto em “xeque um amigo, que conduz um programa em direto, e é apanhado de surpresa com os ataques que estão a fazer à sua direcção e à empresa em que trabalha”.

O director de informação conclui assim o seu texto, afirmando que “Augusto Santos Silva não voltou à TVI24. Mas por ser malcriado, não porque a sua voz é incómoda”, classificando ainda esta situação, não de “liberdade de expressão, mas de decência”.

Descomplicador:

Sérgio Figueiredo, director de informação da TVI, explica numa crónica publicada no DN as razões da saída de Santos Silva, acusando o ex-Ministro de “falta de decência” e de ter sido “malcriado” para com a estação e alguns dos seus responsáveis.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *