Alexis Tsipras sai em defesa de Varoufakis

O primeiro-ministro grego esteve hoje no parlamento para responder às perguntas dos deputados e não deixou de lado a polémica em torno do “plano alternativo” que o próprio teria pedido a Yanis Varoufakis. O líder do Syriza confirmou ter dado indicações ao ex-ministro das finanças para que este preparasse um “plano B” que acautelasse uma eventual saída da Grécia da zona euro.

tsiprasAlexis Tsipras relativizou a questão e procurou justificar-se afirmando que aquilo que ordenou a Varoufakis era apenas um “plano de emergência”. O primeiro-ministro chegou mesmo a dizer que a situação se devia exclusivamente a preparar a defesa do executivo e do país caso os “parceiros e credores tivessem preparado um cenário de Grexit”. O chefe de governo grego salientou ainda que aquilo que Varoufakis tinha autorização para fazer era a construção de uma equipa “para gerir a situação de emergência”.

Devido ao facto de se tratar de uma situação de prevenção, Tsipras acrescentou que não se pode classificar o plano como sendo “secreto e satânico”. Apesar de as divergências que afastaram nos últimos tempos Yanis Varoufakis do primeiro-ministro, para Tsipras não está em causa a integridade do ex-mnistro das Finanças, defendendo que terá cometido erros “como todos nós”, mas que tal não implica que se possa acusar Varoufakis de “roubar dinheiro do povo ou de ter um plano secreto para levar a Grécia para o abismo”.

A polémica foi lançada pelo jornal grego “Kathimerini” no passado domingo e revelava que o ex-ministro grego tinha admitido, numa tele-conferência, ter tido autorização para criar um sistema alternativo que permitisse a saída da Grécia do euro. Nas declarações que o jornal citou e que durante a semana foram tornadas públicas, Varoufakis confessa ter permitido que o coordenador da equipa fizesse hacking ao sistema central do Fisco. Sobre este último dado, Tsipras não se pronunciou hoje perante os deputados.

Descomplicador:

Alexis Tsipras admitiu hoje no parlamento grego ter dado autorização para que Varoufakis criasse um “plano de emergência” que acautelasse uma eventual saída da Grécia da zona euro mas que não se tratava de “um plano secreto e satânico”. O primeiro-ministro grego defende que se tratava apenas de uma medida de prevenção.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *