Ribeiro e Castro é a voz mais critica às listas do CDS

Se no PSD é o autarca Fernando Costa que lança as maiores criticas às listas de candidatos a deputados aprovadas no Conselho Nacional do partido, no parceiro de coligação, o CDS, é Ribeiro e Castro quem deixa as maiores criticas. No entanto, numas listas em que diversos dos actuais deputados foram afastados ou se viram colocados em lugares não elegíveis existem também mais criticas de actuais deputados que já olham para o futuro fora do Parlamento.

Ribeiro e CastroJosé Ribeiro e Castro saiu pelo próprio pé da Assembleia da Republica e do Grupo Parlamentar do CDS e dias depois de serem anunciadas as listas de candidatos a deputados pelo CDS o ex-líder do partido reuniu o seu movimento cívico do 1º de Dezembro e aproveitou para anunciar que não vota numa coligação que “não promete repor os feriados”, em especial “o mais importante do calendário”.

O ex-líder do partido e um dos deputados mais antigos do Parlamento disse ainda numa carta enviada ao Conselho Nacional do partido que “lamenta o facto de ter sabido da data da reunião através de Marques Mendes e do seu comentário semanal”, para além de ter tido conhecimento “dos primeiros nomes do CDS através da página do PSD”, criticando assim a forma “quase totalitária” de tomar decisões no partido.

Ribeiro e Castro aproveitou ainda para criticar o facto de Paulo Portas nunca “ter estado ao lado do Primeiro-Ministro num debate quinzenal o que só traria um aumento de consistência para a coligação” que agora se formalizou para as legislativas de Outubro. Ribeiro e Castro era já uma voz dissonante no partido e agora esse “lugar” estará guardado para Filipe Anacoreta Correia, candidato em lugar considerado elegível e líder da corrente interna de oposição de Paulo Portas no CDS.

Quem também deixou críticas à escolha de Paulo Portas foi o actual deputado eleito pelo circulo de Braga desde 1999 e presidente da distrital de Braga, Altino Bessa. O deputado criticou a decisão de Paulo Portas na sua página do Facebook, dizendo que “não serei candidato por decisão do presidente do partido” e acrescentando que é assim que “se afastam os eleitores dos eleitos”.

O presidente da distrital de Braga do CDS e membro da Comissão Politica Nacional disse ainda que “quando os eleitores perceberem isso [n.d.r: o afastamento dos deputados das regiões] talvez os partidos mudem”.

Descomplicador:

Ribeiro e Castro foi o primeiro a lançar criticas às listas do CDS para as próximas eleições legislativas, mas o presidente da distrital de Braga, Altino Bessa disse ter sido “afastado por decisão do presidente do partido”, criticando o modo de agir do CDS.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *