António Guterres ainda na corrida à ONU

António GuterresO ex-Primeiro Ministro António Guterres, actual Alto Comissário para os Refugiados da ONU mantém a intenção de se candidatar a Secretário Geral das Nações Unidas, objectivo que o levou aliás a afastar-se das eleições presidenciais de 2016. O processo terá inicio oficioso no mês de Setembro e são já dezenas de candidatos ao mais alto cargo das Nações Unidas.

O processo vai iniciar-se em Espanha no mês de Setembro no Conselho de Segurança da ONU, ao que avançou recentemente o jornal Expresso. António Guterres mantém-se como Alto Comissário para os Refugiados mas não deitou ainda por terra as hipóteses de subir na estrutura das Nações Unidas, apesar da concorrência de peso.

Desde Junho que a Assembleia Geral da ONU está a discutir o processo de sucessão do próximo Secretário-Geral que tomará posse em Janeiro de 2017. Portugal foi aliás um dos países que assinou uma missiva onde pede maior transparência no processo de selecção do próximo líder da organização. Esta carta foi assinada por 27 países e enviada à Assembleia Geral e ao Conselho de Segurança da ONU.

O que o grupo de 27 países é que existam prazos e metas para a apresentação das candidaturas e que os países possam liderar a apresentação de candidatos, tornando assim todo o processo mais transparente. Para já conhecem-se 18 candidatos ao “trabalho mais impossível do mundo”, como afirma o primeiro líder da organização, Trygve Lie. Guterres parece para já estar longe do lote de favoritas mas ao que relata o Expresso pode ter uma hipótese.

António GuterresA Europa Oriental tem já nove candidatos e segundo o método de rotação da ONU este é o momento em que deve ser eleito um candidato desta zona do globo, e foram aliás governos desta zona do mundo que apresentaram os primeiros candidatos ao cargo. A dificuldade para a eleição prende-se então com a aprovação dos cinco elementos permanentes do Conselho de Segurança, onde é complicado conjugar as vontades da China, da Rússia e dos Estados Unidos da América.

A ideia do candidato vencedor é então alguém que consiga passar pelo crivo dos diversos interesses, entre o ocidente e o oriente. Neste ponto surgem como favoritas duas mulheres, até por pressões feministas: Irina Bukova e Kristalina Giorgieva, mas o afastamento destas duas candidatas caso não agradem ao conjunto dos cinco pode ser a hipótese que Guterres procura para saltar para um lugar de maior destaque.

Segundo fontes ouvidas pelo Expresso, António Guterres pode ser o candidato favorito caso as opções da Europa de Leste falhem, sendo visto como alguém com “um prestígio indiscutível e que se mexe bem na organização”. No entanto as candidaturas começam agora a dar os primeiros passos, embora a maioria dos concorrentes esteja já em campanha.

Descomplicador:

António Guterres mantém a intenção de se candidatar ao cargo mais alto das Nações Unidos, mas são 17 os seus concorrentes. Ao que apurou o Expresso o ex-Primeiro Ministro português pode ter no entanto uma hipótese de se tornar o favorito.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *