Joana Amaral Dias sem problemas em discursar no Pontal

Joana Amaral Dias vai ser a cabeça de lista do Partido Trabalhista Português pelo circulo eleitoral de Lisboa, após a coligação que o seu movimento, Agir fez com esta estrutura partidária. De férias, Joana Amaral Dias deu uma entrevista ao jornal Sol onde disse que “se Passos Coelho me desse uma tribuna na festa do Pontal, sem qualquer condicionalismo, como fez Seguro, podes ter a certeza que aceitava”.

Joana Amaral DiasA ex-militante do Bloco de Esquerda e ex-deputada pelo partido agora liderado por Catarina Martins, disse que se “não tivesse condicionalismos” não teria problemas em discursar na Festa do Pontal, a festa que marca a rentrée politica do PSD e este ano também do CDS. Joana Amaral Dias acrescentou ainda que “haveria de recusar por que carga de água? Só devo falar para os convertidos? Ou os militantes do PSD ou do PS têm lepra?”. A questão foi levantada quando se falou da ida de Joana Amaral Dias a um evento do Partido Socialista, a convite de António José Seguro.

A cabeça-de-lista por Lisboa tem uma equipa a preparar o programa eleitoral que será apresentado em Setembro e a ultimar as listas candidatas às legislativas, dizendo que “eles sabem que estes 15 dias de férias são essenciais para o embate que aí vem”.

A ex-militante do Bloco questionou ainda a sua ligação ao partido, dizendo que “os partidos tratam bem os independentes mas depois tendem a banalizá-los”, tendo passado por um “período de quase luto” entre o tempo em que deixou o Bloco de Esquerda e o tempo em que criou o Juntos Podemos, de onde saiu na fase inicial. A ex-deputada recusa ainda a acusação de querer protagonismo, dizendo que faz “política há 15 anos. Militei num único partido. Se me convidam para intervir, para escrever, aceito”, justifica.

A psicóloga disse ainda querer “exercer o meu mandato em exclusividade”, acreditando que “fazer política é ser empregado do povo que queres servir” e tendo como principal objectivo o lançar novas ideias e novas formas de intervir, “mais do que querer ser ministra”.

Descomplicador:

Joana Amaral Dias, cabeça-de-lista do AGIR/PTP por Lisboa disse em entrevista ao Sol que “se Passos Coelho me desse uma tribuna na festa do Pontal, sem qualquer condicionalismo, como fez Seguro, podes ter a certeza que aceitava”, acrescentando ainda que caso seja eleita deputada irá exercer o mandato em exclusividade.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *