Menos manifestantes do que o esperado pedem impeachment

Os manifestantes brasileiros saíram à rua em mais de 200 cidades: esta é a conclusão dos mais recentes números lançados pelo Estadão. O diário brasileiro adianta que centenas de milhares de protestantes encheram as ruas um pouco por todo o país neste domingo, em atos organizados pelo Movimento Brasil Livre, o Revoltados Online e o Vem Pra Rua.

A dimensão das manifestações é reconhecida pelo governo, pelo menos ao ponto de ter sido marcada uma reunião para as 17 horas desta segunda-feira com o objetivo de avaliar as suas repercussões. O encontro vai dar-se entre Dilma Rouseff e vários membros do governo. Ainda assim, os últimos dados indicam que o número de manifestantes não terá chegado às expetativas dos organizadores.

Dilma Roussef
O motivo que leva a estas manifestações tem vindo a ser repetido: os brasileiros que se mostram contra Dilma pedem o seu “impeachment”, ou a impugnação do mandato da presidente. Para que este pedido se concretize, os deputados devem aprová-lo e enviá-lo ao Senado, que deve igualmente dar o seu aval. No fim do processo, e cumpridos todos os passos anteriores, DIlma é julgada numa sessão encabeçada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, a que se segue nova votação por parte dos senadores.

Quanto às razões que se podem alegar para este impeachment, o Financial Times elaborou este ano uma lista que ajuda a explicar as exigências dos manifestantes. Entre estas estão uma perda de apoio no Congresso, o escândalo na petrolífera Petrobras (à qual o ex-presidente Lula da Silva também se viu ligado), o aumento da inflação, o aumento do desemprego, e até problemas de falta de água e eletricidade.

No entanto, cientistas políticos brasileiros consideram este cenário improvável. Segundo especialistas entrevistados para a BBC Brasil, não existe uma base clara para dar início ao processo. Para mais, os politólogos defendem também que embora Dilma fosse presidente do Conselho da Administração da Petrobras entre 2003 e 2010, não existem provas de nada além de má administração e portanto existe nas palavras do especialista Peter Hakim “um certo exagero” nas alegações.

Durante este domingo, decorreram manifestações em Brasília, Rio de Janeiro, Salvador da Baía, Belo Horizonte, Florianópolis, Maceió, Recife e Ribeirão Preto, não havendo ainda números oficiais. Já em Belém, a Polícia Militar avança com o número de 1.500 pessoas, embora as organizações e movimentos que lideram o processo arrisquem umas bem diferentes 6000 pessoas.

Descomplicador:

Centenas de milhares de pessoas saíram hoje à rua em mais de 200 cidades brasileiras, com o objetivo de pedir a impugnação do mandato de Dilma Rouseff.

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *