Marinho e Pinto assume o risco de liderar lista por Coimbra

O fundador do Partido Democrático Republicano (PDR), António Marinho e Pinto disse ao jornal Expresso saber o risco de liderar a lista do circulo eleitoral de Coimbra, situação que o pode deixar fora da Assembleia da República. O militar de Abril, Rodrigo Sousa e Castro lidera a lista por Lisboa.

Marinho e PintoMarinho e Pinto precisa de recolher perto de 18 mil votos, quase o dobro dos 10 mil que conquistou para ser eleito para o Parlamento Europeu. Ainda assim e apesar de saber que a tarefa é difícil, o ex-bastonário da Ordem dos Advogados diz que “só os carreiristas jogam pelo seguro”, candidatando-se assim pelo distrito onde “moro e trabalho há 45 anos”.

O actual eurodeputado diz ainda que “se me candidatasse por outro círculo seria um candidato mercenário e eu sou contra o comércio das candidaturas”, aproveitando para lançar farpas a Paulo Portas que acusa de se “candidatar por Aveiro sem nunca lá ter vivido”. Caso não seja eleito, Marinho e Pinto diz que vai regressar ao Parlamento Europeu, onde manterá “uma posição critica sobre o funcionamento da instituição”.

As expectativas recaem assim sobre Rodrigo Sousa e Castro o coronel e militar de Abril envolvido na Revolução dos Cravos e do 25 de Novembro e que foi director de campanha de Maria de Lurdes Pintassilgo, que admite ser “o que tem mais probabilidades de ser eleito”, liderando assim a lista do circulo eleitoral de Lisboa.

O MPT recolheu nas europeias 47 mil votos, conseguindo ao manter este registo eleger até o nº2 da lista, Fernando Condesso, ex-Partido Social Democrata. Rodrigo Sousa e Castro admite ainda que o partido vive muito da imagem de Marinho e Pinto e que o grande desafio é “aplicar todo o esforço e a todo o custo, como se diz na tropa, para identificar o PDR com Marinho e Pinto”.

Rodrigo Sousa e Castro diz mesmo que “eleitoralmente Marinho e Pinto vale mais do que o próprio PDR”, comparando o PSD à imagem de Sá Carneiro com o partido agora fundado pelo ex-bastonário. O PDR está já em campanha depois da equipa do partido se ter “fechado em tarefas administrativas e burocráticas” que dificultaram os primeiros meses de lançamento do partido, em especial nas tarefas de comunicação.

Descomplicador:

Marinho e Pinto reconhece que pode ficar de fora do Parlamento, precisando quase de duplicar a votação que teve em Coimbra nas europeias. Por outro lado o cabeça-de-lista por Lisboa, Rodrigo Sousa e Castro sabe que é o que mais probabilidades tem de ser eleito.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *