Ribeiro e Castro quer acção judicial contra Estado Islâmico

O deputado do CDS-PP Ribeiro e Castro quer organizar uma acção judicial contra o autoproclamado Estado Islâmico no Tribunal Penal Internacional. Para levar a cabo esta medida, o deputado já encetou contactos com outros parlamentos europeus e pretende apresentar esta medida em Portugal já na próxima quinta-feira numa reunião extraordinária da comissão parlamentar de Negócios Europeus.

José Ribeiro e Castro pretende mobilizar não só a União Europeia mas também os diferentes parlamentos europeus para que se proceda à análise de uma acção contra o Estado Islâmico. Para reforçar a sua posição, o ex-presidente do CDS-PP relembrou que a UNESCO já classificou a destruição do património em Palmira executado pelo Estado Islâmico como “crime de guerra sancionado internacionalmente”.

Ribeiro e CastroPara o deputado, a actuação do Estado Islâmico não se trata apenas de um conjunto de crimes contra o património mas também de “crimes contra a Humanidade”. Ribeiro e Castro fala mesmo em “genocídio” e afirma que esta é a mesmo a palavra que deve ser usada para classificar estes crimes e os actos terroristas que o Estado Islâmico tem vindo a cometer.

Desde “violações de mulheres” a “execuções sumárias e bárbaras”, a lista de crimes constitui para Ribeiro e Castro “um rol interminável de crimes contra a Humanidade” que merecem uma acção por parte do Tribunal Penal Internacional. O deputado centrista relembrou ainda que “a gravíssima crise migratória” se deve também ao Estado Islâmico.

A proposta será discutida na próxima reunião da comissão de Negócios Europeus, cujo presidente, Paulo Mota Pinto, já afirmou apoiar a iniciativa.

Descomplicador:

José Ribeiro e Castro está a organizar uma medida que prevê condenar o Estado Islâmico através de uma acção judicial no Tribunal Penal Internacional. O deputado garante já ter contactado outros parlamentos europeus e por cá conta com o apoio do presidente da comissão parlamentar de Negócios Europeus. Na próxima quinta-feira, esta comissão analisará a medida proposta pelo deputado do CDS-PP.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *