Guterres diz que o problema “não se resolve a fechar fronteiras”

António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados da ONU considera que o problema dos movimentos migratórios “não se resolve fechando fronteiras” e que assim os milhares de refugiados “podem cair num limbo de natureza legal”.

António GuterresO ex-Primeiro-Ministro defende também que “o mecanismo de distribuição de refugiados entre os vários Estados-membros deveria ser obrigatório”, em declarações que proferiu antes da reunião com os ministros da administração interna dos diversos países da União Europeia, que decorreu ontem.

O Comissário para os Refugiados, que encerra o seu mandato no final do ano, considera que “o drama da situação actual é que cada país toma as suas medidas, mas isto não se resolve desta forma”, dizendo que assim “corremos o risco de ter refugiados a andar de um lado para o outro e a cair num limbo de natureza legal, o que é indispensável é que nos pontos de entrada haja uma recepção eficaz e depois haja uma distribuição justa por todos os estados europeus”.

António Guterres defende que o mecanismo de distribuição deve ser obrigatório entre todos os Estados-Membros e no limite considera que de forma voluntária os países consigam acolher todos os refugiados que têm vindo a dar entrada nos países da União Europeia.

Descomplicador:

António Guterres considera que todos os países da União Europeia devem participar no mecanismo de redistribuição dos refugiados, acrescentando que “não é a fechar fronteiras que o problema se resolve”. O Alto Comissário para os Refugiados tem receio que os refugiados “caiam num limbo legal”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *