A importância do deputado ilhéu

Os cartazes nas ruas da cidade do Funchal, como por toda a Madeira e Porto Santo, denunciam o período eleitoral que vivemos. É impossível que a nossa vista não capte pelo menos um dos múltiplos cartazes, que assumem as mais variadas formas e feitios, as mais variadas cores, dos também ora inúmeros candidatos a um assento na Assembleia da República. Olhamos para os slogans que se repetem ano após anos, mais vírgula menos letra, entre um ou outro mais atento ou original. Mas nem com tantos cartazes estão as pessoas mais ou menos informadas dos inúmeros partidos, novos-partidos e movimentos populares que preenchem a lista onde o comum popular marcará a sua cruz para os próximos quatro anos.

CDS Madeira José Manuel Rodrigues Legislativas 2015Mas não se iluda caro leitor: aqui na Madeira leva-se a sério as eleições. Quer pela natural proximidade dos candidatos (é primo do primo do primo) mas, acima de tudo, hoje, cada vez mais se pede que o eleito seja um defensor da ilha, seja aquele capaz de levar a voz do ilhéu à “casa das leis” na capital, e que defenda a todo o custo quem o elegeu. Por vezes pode parecer estranho para o “continental” esta espécie de bairrismo, muitas vezes à custa da rígida disciplina partidária com as naturais consequências, mas os séculos de distância que a tecnologia aproximou, não afastou a necessidade de afirmação do ilhéu.

Nós temos apenas seis cadeiras reservadas aos representantes da Madeira e Porto Santo. Com naturalidade essas cadeiras têm sido preenchidas por deputados do PSD, PS e CDS. E, mesmo em minoria face aos restantes, tem sido o deputado do CDS a marcar o ritmo na defesa da Madeira e dos interesses dos seus habitantes. Perante o muito silêncio a que ficou vetada a representação laranja no Parlamento, perante a pouca expressão dos deputados que têm representado o PS ao longo dos anos, têm sido os deputados do CDS a levar os problemas regionais à discussão. Bastará recordar a título exemplificativo os assuntos dos transportes aéreos e marítimos ou a denúncia constante do descalabro que era a gestão dos contas da Madeira, para ter noção da importância desta intervenção. Pelo que é indiscutível que a Madeira e a Assembleia da República precisa de um deputado eleito pelo CDS/PP pelo círculo da Madeira.

E se olharmos para as listas e seus componentes, que hoje concorrem pelos vários, inúmeros partidos e afins, poucas dúvidas haverá que o CDS/PP Madeira apresenta a melhor lista e mais competente para a defesa dos interesses da Madeira e dos Madeirenses. O voto no CDS/PP é o verdadeiro voto útil. A conclusão é fácil. E marcar o “x” também.

Publicado por: Luisa Henriques Gouveia

Natural de São Pedro, Funchal, é mestre em Psicologia pelo ISPA - Instituto Superior de Psicologia Aplicada. É membro efectivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses e psicóloga de profissão. Também exerceu funções no Centro de Saúde Coração de Jesus e na IPSS Centro da Mãe. Foi deputada à ALRAM entre 2012 e 2015 e Presidente da Juventude Popular da Madeira no mesmo período. É atualmente autarca em exercício na Assembleia de Freguesia de São Pedro, Vice-Presidente da Comissão Política do CDS-PP Funchal e vogal da Comissão Política Regional do CDS-PP Madeira.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *