Análise da Campanha: “Coligação teve a estratégia mais eficaz”

Termina hoje a campanha para as eleições legislativas de 4 de Outubro e o tempo começa a ser de balanços. O Panorama falou com João Gomes de Almeida, director criativo da Nylon que coordenou no passado 14 campanhas eleitorais. Para o publicitário, “a coligação pareceu-me no global a candidatura com uma estratégia mais eficaz”, mas faltou inovação.

Legislativas 2015João Gomes de Almeida afirma que “o PS atinou depois de uma fase inicial complicada”, mas já no global foi a coligação Portugal à Frente que “pareceu apresentar uma estratégia mais eficaz”, ressalvando no entanto que a resposta só será dada no Domingo quando forem conhecidos os resultados eleitorais destas eleições legislativas.

O director criativo da agência Nylon não esquece também os pequenos partidos, afirmando que “esperava mais de partidos novos como o Partido Democrático Republicano, Agir e Livre”, esperando “mais ousadia na mensagem e na campanha e também mais energia”, deixando o conselho que “caso tivessem uma campanha mais profissional certamente poderiam ter um resultado muito melhor do que é sugerido pelas sondagens”.

Para João Gomes de Almeida, a comunicação social não fez correctamente o seu papel na cobertura desta campanha eleitoral, tendo feito uma “vergonhosa cobertura aos pequenos partidos como o Nós Cidadãos, o MPT, o PCTP e o PAN”.

O publicitário afirma que “continua a existir um blackout informativo a estes movimentos, o que não lhes permite divulgarem as suas propostas eleitorais”, acrescentando também que a “democracia não funciona se todos os partidos não tiverem a mesma atenção por parte dos jornalistas”.

Num balanço geral, o publicitário da Nylon lamenta que a campanha tenha sido “pobre e muito parecida com o que já se tinha feito anteriormente”.

Descomplicador:

João Gomes de Almeida, director criativo da Nylon que coordenou no passado 14 campanhas eleitorais, considera ao Panorama que “a coligação pareceu-me no global a candidatura com uma estratégia mais eficaz”, criticando a actuação dos pequenos partidos e da comunicação social na cobertura da campanha.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *