Jerónimo de Sousa passa a “batata quente” para o PS

A CDU, tal como é seu apanágio em praticamente todos os actos eleitorais, começou por se mostrar satisfeita com o “progresso da sua votação que, um resultado tão mais importante, quanto mais exigente se apresenta a intervenção que, quer no plano parlamentar quer no plano da luta”.

Foto: PCP

Foto: PCP

A coligação liderada por Jerónimo de Sousa, afirma assim segundo palavras do próprio na intervenção de encerramento da noite eleitoral para o PCP/PEV que “a seriedade e um papel insubstituível na defesa dos seus direitos, e que confirma o valor da força mais combativa e necessária à defesa dos interesses dos trabalhadores e do povo” é um bom sinal daquilo que foi “a confiança do povo na politica da CDU”.

Rapidamente Jerónimo de Sousa partiu para o ataque à direita, dizendo que “a intensa campanha ideológica e de condicionamento eleitoral, de chantagem e medo”, acrescentando que “a leitura dos resultados não pode ser feita à margem de um ostensivo e até afrontoso quadro de tratamento desigual”.

Para a CDU o resultado da coligação Portugal à Frente é uma derrota imposta pelos portugueses, devido à retirada da maioria absoluta. A CDU passou então a “batata quente” para o PS dizendo que “seria intolerável que o Presidente da República quisesse, contra a vontade do povo português dar-lhes a possibilidade de continuar no Governo”, garantindo assim que “o PCP e Os Verdes pela sua parte rejeitarão na Assembleia da República qualquer tentativa nesse sentido. Essa pretensão será derrotada, a menos que o PS a viabilize”.

Jerónimo de Sousa deu conta ainda das suas prioridades na nova legislatura, nomeadamente a subida do salário mínimo, o combate à precariedade, o reforço do Serviço Nacional de Saúde e a revogação da nova Lei do Aborto.

Descomplicador:

Jerónimo de Sousa mostrou-se contente pela vitória da esquerda dizendo estar disponível pare recusar qualquer entendimento que permita à coligação Portugal à Frente fazer passar o orçamento e o programa de Governo, passando assim a “batata-quente” para o PS.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *