Daniel Oliveira sai com as contas pagas. Boaventura Sousa Santos põe em causa continuidade.

O LIVRE/Tempo de Avançar está em fase de rescaldo depois do desaire eleitoral de Domingo. A plataforma de esquerda lançou um movimento de recolha de fundos para pagar as despesas de campanha, pedindo assim a contribuição de todos os subscritores e todos os que acreditaram na candidatura. Entretanto Daniel Oliveira já disse deixar o movimento quando as contas estiveram encerradas e Boaventura Sousa Santos, um dos mandatários defendeu já a extinção do partido.

Tempo de AvançarRui Tavares disse à Agência Lusa que “o que estamos a fazer é a pagar as contas nos prazos convencionados e, para pagar as contas, precisamos de donativos de membros, apoiantes, subscritores e das pessoas que acreditem nas nossas ideias e que achem que temos um papel relevante e importante que deve ser apoiado para nos ajudarem a ter as contas em dia e a saldar as nossas despesas”, pedindo também ajuda dos apoiantes para retirar a propaganda da rua.

Por não ter atingido o limiar minimo dos 50 mil votos, o LIVRE/Tempo de Avançar não vai usufruir da subvenção estatal. Ainda segundo Rui Tavares falta neste momento pagar metade das despesas de campanha, um valor que pode rondas os 120 mil euros e que ficaria coberto com um donativo de 20 euros por parte de todos os subscritores da plataforma.

Daniel Oliveira dedica-se ao jornalismo e Boaventura Sousa Santos defende extinção

Rui Tavares Daniel Oliveira LivreEntretanto uma das figuras do LIVRE/Tempo de Avançar, o comentador Daniel Oliveira publicou esta manhã um texto na sua página do Facebook a dar conta que “depois de anos em que quase exclusivamente me dediquei à opinião e a uma atividade político-partidária intermitente, voltei a fazer, pela segunda vez em muitos anos, reportagem”, revelando que “foi por isso que, há mais de um mês, pedi de volta a carteira profissional que entregara quando assumi, há mais de dez anos, a função de assessor de imprensa do Bloco de Esquerda. Desde então nunca senti a necessidade de voltar a tê-la. Agora sim”.

O comentador vai assim regressar à sua actividade original, o jornalismo, dizendo no entanto que “até que estejam saldadas, continua a prender-me a esta candidatura o empenhamento em conseguir ajudar a recolher donativos para pagar as dívidas de campanha”, acrescentando que não é uma “questão política. É uma questão de honra”.

Entretanto o sociólogo Boaventura Sousa Santos, mandatário do LIVRE/Tempo de Avançar em Coimbra defendeu aos microfones da TSF que a plataforma devia extinguir-se e procurar articulações com o Bloco de Esquerda, que conquistou agora uma nova força.

Ainda assim, Júlio Machado Vaz, mandatário pelo Porto defende para já com prudência que os resultados devem ser apenas analisados. Rui Tavares está disponível para ouvir soluções mas questiona se “as manifestações de disponibilidade para a convergência são para durar, ou se são estratégicas ou meramente tácticas”.

Entretanto pelo que o Panorama conseguiu apurar, o congresso do movimento deverá reunir depois de encerradas as contas da campanha, sendo que o Partido LIVRE tem congresso electivo apontado para o final deste ano, tendo em conta que terminam os primeiros mandatos, com a duração de dois anos.

Descomplicador:

O LIVRE/Tempo de Avançar veio pedir um donativo dos apoiantes para saldar as despesas de campanha na ordem dos 120 mil euros. O comentador Daniel Oliveira regressará ao jornalismo, enquanto Boaventura Sousa Santos, um dos mandatários defende a extinção e a articulação com o Bloco de Esquerda.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *