1/3 de mulheres no Parlamento, mas um longo caminho até ao limiar

Estas foram também umas eleições legislativas históricas não só pelo cenário politico que instalaram em Portugal, mas também pelo facto de ter eleito 76 deputadas à Assembleia da Republica, o que constituiu 1/3 do total de deputados, um número record, nove anos depois da entrada em vigor da Lei da Paridade.

Assembleia da Republica ParlamentoEm 2011 tinham sido eleitas 62 deputadas, sendo que este ano foram eleitas mais catorze, passando assim o número para 76 eleitas, o que constitui um terço do Parlamento, número que pode aumentar com o apuramento dos mandatos dos círculos da emigração.

Ao Panorama, Sílvia Vermelho, activista na área da Igualdade de Género e politóloga, diz que face a estes dados se “impõe uma pergunta retórica: se só 9 anos após a entrada em vigor da chamada “Lei da Paridade” se consegue 1/3 de mulheres no Parlamento, quantos anos teriam sido necessários sem essa Lei?”.

Ainda assim e numa análise por partidos feita pelo jornal Observador, na coligação Portugal à Frente, 33 dos 99 deputados são mulheres (33,3%), no PS são 27 em 85 (31,78%), no Bloco de Esquerda os números são de seis em 19 (31,58%) e por fim no Partido Comunista Português são sete mulheres para 17 eleitos (41,18%).

Assim se conclui que apenas o PCP atinge o chamado “limiar da paridade”, número que equivale a 40% dos eleitos, situação que é também destaca pela cronista do Panorama, ao referir que “1/3 traduz o espírito da chamada “Lei da Paridade” mas não traduz, ainda, paridade. O limiar mínimo da Paridade é considerado 40% e há um caminho importante a percorrer até lá”.

A Lei da Paridade foi aprovada em 2006 e estabelece que pelo menos 33% das listas para as autarquias, para o Parlamento Europeu e para a Assembleia da Republica, têm de ser compostas por mulheres. Em jeito de conclusão, Sílvia Vermelho diz ainda quanto à Paridade que “importa que estas mulheres contribuam para políticas públicas que não agravem a desigualdade de género, que a combatam, que a reconheçam e tracem estratégias para a eliminar”, acrescentando que sem esse trabalho, “nada feito”.

Descomplicador:

As eleições legislativas deste ano elegeram 1/3 de mulheres para o Parlamento, do total dos deputados eleitos. Ainda assim, Sílvia Vermelho, activista para a Igualdade de Género refere ao Panorama que os números estão abaixo do “limiar da paridade”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *