José Sócrates libertado

 

José Sócrates vai ser libertado. As únicas medidas de coação a que estará sujeito serão a proibição de contactar os outros arguidos da Operação Marquês, assim como só poderá deixar com autorização prévia. O ex-primeiro ministro está agora em liberdade e deixa assim de estar em prisão domiciliária. Esta mudança da medida de coação irá afetar também Carlos Santos Silva. A ação tem efeito imediato e ambos os arguidos estão em liberdade já a partir de hoje.

Num comunicado enviado à imprensa, a Procuradoria Geral da República justifica “que se mostram consolidados os indícios recolhidos nos autos” e por essa razão “diminuiu a suscetibilidade de perturbação da recolha e da conservação da prova”.

jose-socrates

Em declarações à RTP, poucos minutos depois de a notícia ter sido tornada pública, João Araújo afirmou que esta solução era previsível. O advogado de José Sócrates entende que “a novela” em torno do caso estava a “ficar insustentável” e que por esse motivo não está surpreendido. João Araújo garantiu que pretende falar com o ex-primeiro ministro ainda esta sexta-feira.

Pedro Delille, o outro advogado de José Sócrates, falou ao “Expresso” e afirmou que a decisão “chega com onze meses de atraso”. Delille acrescentou ainda que agora que a defesa e os arguidos podem ter acesso aos autos irá tentar entender as razões da “fantasia de manter o engenheiro José Sócrates na prisão”.

O processo deixa de estar em segredo de justiça a partir desta sexta-feira e a defesa, assim como os próprios arguidos, podem consultar os autos a partir de segunda-feira. É, portanto, esperado que a partir da próxima semana seja possível ter um conhecimento mais claro do processo. No entanto, importa relembrar que a acusação ainda não é conhecida e ainda não está terminada.

Descomplicador:

José Sócrates está em liberdade mas impedido de sair do país sem autorização prévia ou de contactar com os outros arguidos do processo. A medida aplica-se também a Carlos Santos Silva. A decisão foi tomada no mesmo dia em que o segredo de justiça do processo foi levantado, permitindo que arguidos e defesa possam aceder aos autos a partir de segunda-feira. O ex-primeiro ministro deixa assim de estar em prisão domiciliária e passa a usufruir da liberdade onze meses depois de ter sido detido.

Publicado por: José Pedro Mozos

22 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Socia e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Foi comentador num programa da rádio da sua faculdade sobre actualidade política; editor de música da ESCS Magazine e escreveu para o site Bola na Rede. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, é jornalista na SIC Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *