Será esta a semana decisiva?

Será a semana de 19 a 23 de Outubro a semana decisiva da politica nacional, depois das eleições legislativas de 4 de Outubro? Cavaco Silva agendou para esta Segunda, Terça e Quarta as audições com os partidos que elegeram deputados, isto na semana a seguir ao endurecimento do discurso por parte da coligação e da “carta branca” passada pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda ao Partido Socialista.

Cavaco recebe Passos Coelho e partidos entre Segunda e Quarta

Cavaco SilvaO Presidente da Republica, Aníbal Cavaco Silva agendou para Segunda-Feira uma audição com Pedro Passos Coelho, sendo que apenas na Terça-Feira é que vai dar inicio às audições formais com os partidos que elegeram deputados à Assembleia da Republica.

Na Terça-Feira, Cavaco Silva vai receber o PSD, PS, Bloco de Esquerda e CDS, ficando a Quarta-Feira reservada para o PCP, Partido Ecologista Os Verdes e o recém-eleito PAN. À semelhança do que fez assim que decorreram as eleições, Cavaco vai receber primeiro Passos Coelho, que recebeu logo após o sufrágio, tendo mais tarde reunido também com António Costa.

Destas audições formais vai surgir então o convite formal a um dos líderes dos partidos para formarem Governo. Passos Coelho reclama para si esse estatuto, enquanto António Costa continua a procurar à esquerda entendimentos que permitam uma solução de Governo estável.

Passos Coelho desafia Costa a revelar se quer integrar Governo

Passos CoelhoO líder do PSD, Pedro Passos Coelho enviou entretanto uma carta ao Partido Socialista onde desafio António Costa a revelar quais as suas intenções, nomeadamente se “o PS prefere discutir matérias enquanto futuro membro de uma coligação de Governo mais alargada, que inclua, além do PSD e do CDS, o próprio PS, então que o diga também com clareza já que nunca excluímos essa possibilidade, como é sabido”.

Ainda assim, Passos Coelho acusa António Costa de “insinuações irresponsáveis e sem qualquer fundamento real”, sobre a situação financeira do país e que obrigaram a um esclarecimento por parte da Ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.

Pedro Passos Coelho só está disposto a reatar as reuniões com o PS caso os socialistas “apresentem uma contraproposta objectiva, que inclua base programática e medidas concretas, bem como uma proposta de metodologia alternativa à que a coligação apresentou”.

Assunção Cristas lança ataque a António Costa e ao PS

Assunção CristasA Ministra da Agricultura e uma das figuras de proa do CDS protagonizou no Jornal da Noite da TVI de Sábado um ataque feroz a António Costa, ao afirmar que o Secretário-Geral do PS está a “jogar a sua existência política”, acusando ainda o líder do PS de “falta de seriedade e honestidade intelectual política”.

Quanto às suspeitas que Costa lançou sobre a situação financeira do país, Assunção Cristas diz que não passam de “desculpas para justificar o seu falhanço”, reforçando a ideia de que as contas do Governo são “transparentes e auditadas, ao contrário das contas à moda socialista, com dívidas debaixo do tapete”.

Assunção Cristas diz ainda que António Costa “não quer chegar a acordo com a coligação” e que as reunião são “pouco mais do que uma conversa de surdos”, quanto questionada por Judite Sousa. Para a Ministra da Agricultura, António Costa “não está de boa fé” nas negociações com a coligação composta pelo PSD e pelo CDS.

PCP e Bloco de Esquerda passam “carta branca” ao PS

Jerónimo de SousaEntretanto da ala esquerda do Parlamento português vieram duas “cartas brancas” ao Partido Socialista. Nos encontros e reuniões que decorreram este fim-de-semana, tanto o Partido Comunista como o Bloco reafirmaram que “o PS só não forma Governo se não quiser”.

Num comício no Porto, Jerónimo de Sousa, do PCP, disse que “seja qual for o desfecho da evolução dos encontros em curso, uma coisa é certa, nada impede o PS de formar governo e entrar em funções”, acrescentando ainda que “no quadro da Constituição da República, e tendo presente a correlação de forças existente na Assembleia da República, o PS só não forma governo se não quiser”.

Para Jerónimo de Sousa a dúvida reside agora no facto de “saber se o PS escolhe entre dar aval e apoio à formação de um governo do PSD/CDS ou tomar a iniciativa de formar um Governo que tem garantidas condições para a sua formação e entrada em funções”.

Catarina MartinsJá o Bloco de Esquerda aprovou este Domingo a liberdade “total” nas negociações com o Partido Socialista, uma votação conquistada por unanimidade dos elementos que compõem a Mesa Nacional, onde estão presentes todas as sensibilidade do Bloco de Esquerda, num total de 79 elementos.

Segundo Catarina Martins no final da reunião, “não há nenhum limite no mandato que foi dado ao Bloco para negociar com o PS”, reforçando assim a intenção de que existam “condições acrescidas por parte do BE de estabilidade, de determinação para que essas negociações cheguem a bom porto”.

Entretanto a publicação dos resultados finais estava prevista para esta Segunda-Feira, 19 de Outubro, mas devido ao pedido de impugnação do Nós, Cidadãos às eleições no circulo de Fora da Europa, a publicação pode atrasar, o que adiará também a tomada de posse dos novos deputados, inicialmente agendada para 22 de Outubro. Para já não há novas informações, mas devem surgir novas datas ou a confirmação da data existente durante o dia de hoje.

Descomplicador:

Esta poderá ser a semana decisiva na politica nacional depois das eleições de 4 de Outubro. Cavaco Silva inicia as audiências formais, numa fase em que a coligação endureceu o discurso e desafiou António Costa a responder se quer integrar o Governo com o PSD e o CDS e em que os partidos da esquerda passaram uma “carta branca” a um Governo socialista.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *