Bruxelas acompanha situação dos ativistas angolanos “de perto”

Luaty BeirãoLuaty Beirão continua a fazer greve de fome e o número de dias que o ativista passou sem comer já se encontra na casa dos 32. Esta iniciativa levada a cabo pelo luso-angolano despertou a atenção da comunidade internacional para a situação que Luaty e mais catorze ativistas estão a passar. A Comissão Europeia, questionada sobre este tema, garantiu “estar a acompanhar de perto” o problema dos quinze angolanos que se encontram detidos acusados de estarem a preparar um golpe de estado em Angola.

Numa conferência de imprensa realizada esta quinta-feira em Bruxelas, o porta-voz da Comissão Europeia para questões de ajuda humanitária respondeu aos jornalistas sobre esta questão. Alexandre Polack adiantou que Bruxelas acompanha a situação com grande atenção e proximidade e revelou que a União Europeia mantém conversações com Luanda para reverter esta situação. Segundo as informações avançadas por Polack, as áreas sobre as quais incidem as diligências são sobretudo políticas e jurídicas.

Os ativistas estão detidos desde junho deste ano e aguardam por julgamento na prisão. Segundo a lei angolana esta posição em que se encontram não é legal e cada vez mais vozes exigem a libertação dos quinze ativistas. Luaty Beirão, em protesto contra a decisão, iniciou uma greve de fome que já dura há mais de um mês. Relatos de figuras próximas do luso-angolano garantem que se encontra determinado em levar a greve até ao fim apesar de o seu estado de saúde ser cada vez mais frágil.

Na passada semana, o ministro angolano responsável pela pasta dos negócios exteriores comparou mesmo a prisão de Luaty Beirão e dos outros ativistas angolanos à prisão de José Sócrates para defender a posição do Governo angolano. Para o ministro Georges Chikoti, em ambas as situações a decisão de prender foi tomada “para se investigar” mais a fundo a questão, garantindo que haverá condenação quando a investigação estiver concluída.

O embaixador português em Angola visitou esta quinta-feira Luaty Beirão na clínica onde o “rapper se encontra por precaução. À saída do encontro, João da Câmara não presto quaisquer declarações. O julgamento dos ativistas deve começar no dia 16 de novembro  no Tribunal de Luanda. Até lá Luaty Beirão está disposto a manter a greve de fome caso a liberdade não seja concedida aos quinze ativistas.

Descomplicador:

Bruxelas garantiu esta quinta-feira, através do porta-voz para questões de ajudas humanitárias, que está a acompanhar de perto a situação dos quinze ativistast angolanos detidos por alegadamente estarem a preparar um golpe de estado. Alexandre Polack adiantou que decorrem conversações entre a UE e Angola sobre a situação dos ativistas, entre os quais se encontra o luso-angolano Luaty Beirão, que cumpre o 32º dia de greve de fome como forma de protesto.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *