Nacionalistas eurocépticos vencem eleições na Polónia. BCP e Jerónimo Martins podem sofrer aumento de impostos

O partido Lei e Justiça, um partido de direita, nacionalista e eurocéptico, venceu as eleições na Polónia, segundo indica uma projecção à boca das urnas que indica assim a maioria absoluta para o partido liderado por Beata Szydło. Com este resultado empresas como a Jerónimo Martins, que detém a marca Pingo Doce e o banco BCP podem vir a sofrer aumentos exponenciais de impostos.

Beata Szydło Lei e Justiça PolóniaO Lei e Justiça defende uma economia mais fechada, para além de uma politica bem mais restritiva na área dos refugiados, uma das questões que tem estado em grande debate durante a campanha para estas eleições. Num parlamento com 460 deputados, o Lei e Justiça deve garantir segundo a projecção, cerca de 242 lugares, correspondentes a 39,1% dos votos.

Esta será também a primeira vez que um partido consegue a maioria absoluta desde que a Polónia regressou a uma democracia plena. Os resultados eleitorais finais serão apenas conhecidos na Terça-Feira, 27 de Outubro.

Com estes resultados, o BCP sofreu já perdas de 50 milhões de euros e as empresas com negócios no país são as que sofreram hoje maiores quedas na bolsa. O BCP e a Jerónimo Martins estão aliás a empurrar o PSI-20 para território vermelho devido às alterações politicas na Polónia.

Segundo Steven Santos do Banco BIG ao semanário Expresso, o Lei e Justiça defende um imposto extraordinário que pode estar dependente dos activos financeiros ou das transacções efectuadas. No que toca à grande distribuição, o objectivo do Lei e Justiça é “garantir a normalização das condições concorrenciais, num sector em que a maioria dos players são detidos por capital estrangeiro”, como é o caso da Jerónimo Martins, devendo assim registar-se um aumento nos preços.

Descomplicador:

O partido nacionalista e eurocéptico Lei e Justiça venceu as eleições na Polónia com maioria absoluta. É a primeira maioria absoluta em democracia plena na Polónia. Com as alterações propostas pelo Lei e Justiça, a Jerónimo Martins e o banco BCP estão já a sofrer perdas de milhões e a levar a bolsa a terrenos negativos.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *