Rússia reforça ataques ao Estado Islâmcio. Encontro entre Putin e Hollande dia 26.

Vladimir PutinMoscovo anunciou esta manhã que a queda do avião russo no monte Sinai, no Egito, se deveu a uma bomba artesanal. Apesar de a informação não ter sido ainda confirmada pela investigação das autoridades egípcias, Putin respondeu de imediato e já deu ordens para que os ataques ao Estado Islâmico sejam reforçados.

A investigação russa não te dúvidas de que a queda do avião se deveu a um ato terrorista cuja autoria o autoproclamado Estado Islâmico se apressou a reivindicar. As autoridades egípcias, por sua parte, asseguram que ainda não foram encontrados indícios suficientes para que se possa classificar a queda do avião como tendo sido um ataque. No entanto, as novas declarações provenientes da Rússia serão tidas em conta na investigação em curso, garantem as autoridades.

Mas enquanto o Egito tenta averiguar as causas do acidente e depois dos ataques a Paris na sexta-feira 13, Vladimir Putin não quer perder tempo e já deu ordens para que se intensifiquem os ataques e para que se colabore com as forças francesas. A informação foi avançada esta terça-feira em comunicado enviado pelo Kremlin. Pode ler-se no comunicado que Hollande e Putin falaram por telefone esta manhã e marcaram um encontro para o dia 26 de Novembro. A reunião irá ocorrer dois dias depois de o chefe-de-estado francês ir a Washington para reunir com Barack Obama, também no âmbito do combate ao terrorismo.

A possibilidade de criar uma frente comum para combater o Estado Islâmico pode estar a ser analisada pelos três países que depois dos ataques em Paris parecem mais próximos e dispostos a colaborar para combater os terroristas. A aproximação entre Putin e Obama em relação a este tema pode ser um trunfo para a França e para os ataques ao Daesh.

As forças francesas, por sua vez, voltaram a bombardear Raqqa, a capital do Estado Islâmico esta noite. Esta ataque teve a colaboração dos Estados Unidos. Desde os ataques terroristas em Paris na passada sexta-feira que a França intensificou as investidas na Síria e esta novo bombardeamento é o segundo em menos de 24 horas.

Descomplicador:

A Rússia vai intensificar os ataques ao  autoproclamado Estado Islâmico e começar a colaborar com a França neste domínio. Depois de a investigação russa ter concluído que o ataque ao avião que se despenhou no monte Sinai, no Egito, Vladimir Putin deu ordens para que se intensifiquem os ataques. O chefe-de-estado russo e Hollande vão reunir-se no próximo dia 26 para discutir a melhor estratégia para combater o Estado Islâmico.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH – Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *