25 de Novembro não terá celebração no Parlamento

Parlamento Assembleia da RepublicaEstava marcada para esta quinta-feira uma reunião que tinha como objetivo a análise e decisão sobre que tipo de cerimónia faria o parlamento para comemorar o 25 de Novembro. Os partidos de esquerda faltaram à reunião e como tal não haverá qualquer ato comemorativo para assinalar os 40 anos dessa data.

Jorge Lacão, vice-presidente da Assembleia da República, confirmou que os grupos parlamentares dos partidos de esquerda não mostraram interesse na iniciativa e não indicaram nenhum membro para participar na reunião. Como tal, nem sequer “chegou a haver reunião”, confirmou Lacão.

Esta situação impede assim que haja qualquer celebração institucional para comemorar a data mas não inibe os partidos de assinalarem os 40 anos do 25 de Novembro com cerimónias de iniciativa partidária. O facto de PS, BE, PCP e PEV terem faltado à reunião foi visto por muitos como uma maneira de fugir ao eventual desentendimento entre os partidos nesta matéria. Se houve desentendimento ou não, por enquanto, é mera especulação. No entanto, o afastamento entre os partidos de esquerda e os partidos de direita, esse, continua a crescer.

Recorde-se que já era presumível que este tema não tivesse o apoio dos partidos de esquerda no Parlamento e que esta iniciativa lançada esta terça-feira por PSD e CDS-PP acabaria por ser chumbada. A ideia dos partidos de direita ficou expressa numa carta enviada a Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, onde se propunha a comemoração do 25 de Novembro “com uma conferência ou sessão”.

Descomplicador:

O parlamento não vai assinalar os 40 anos do 25 de Novembro com nenhuma cerimónia. A proposta de CDS-PP e PSD não encontrou apoio nos partidos de esquerda, que nem sequer compareceram à reunião que tinha como objetivo discutir esta temática, e caiu assim por terra. Os partidos podem, no entanto, celebrar a data com comemorações de iniciativa partidária.

Publicado por: José Pedro Mozos

22 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Socia e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Foi comentador num programa da rádio da sua faculdade sobre actualidade política; editor de música da ESCS Magazine e escreveu para o site Bola na Rede. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, é jornalista na SIC Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *