Moção rejeitada. Telmo Correia apelida Governo de “social-comunista”

O resultado já era conhecido à partida, mas só durante a tarde é que foi confirmado pelos deputados presentes no debate do Programa de Governo. A moção de rejeição apresentada em conjunto pelo PSD e pelo PS foi chumbada com 122 votos contra, 107 votos a favor a uma abstenção, do deputado eleito pelo Pessoas-Animais-Natureza (PAN).

Passos Coelho Paulo PortasDepois de durante a manhã Paulo Portas ter sido o responsável da direita por atacar o Governo de António Costa, durante a tarde foi o deputado centrista, Telmo Correia que foi o responsável por dirigir novo ataque às esquerdas. O presidente da distrital de Lisboa viu o seu discurso interrompido ao fim de poucos segundos quando repetiu o chavão de que António Costa não foi eleito, num tom que marcaria toda a sua intervenção: pausa para apartes e discurso.

Telmo Correia classificou este governo de “social-comunista” para além de carregar a “tralha socrática”, desejando “boa viagem, mas curta” ao executivo de António Costa e esperando que “não tenham nenhum acidente, porque quem paga os vossos acidentes são os portugueses”.

Já o ex-Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho, assumindo um tom mais moderado, não abdicou dos alvos definidos por Paulo Portas e Telmo Correia. O líder do PSD acusou António Costa de “cinismo politico” por se ter recusado a negociar com o PSD e com o CDS, dizendo ainda que o executivo que lidera foi escolhido “em nome do povo, mas nas costas do povo”.

Passos Coelho garantiu que se vai posicionar no “centro moderado” mas garantiu que medidas decisivas só serão aprovadas pelo PSD se a voz for “dada novamente ao povo”. Quanto ao Programa de Governo propriamente dito, Passos Coelho disse anunciar “o contrário do que Portugal precisa”, classificando-o de um “aventureirismo”.

Descomplicador:

A moção de rejeição do PSD e do CDS foi reprovada com 122 votos contra e 107 a favor. Passos Coelho falou durante a tarde acusando este programa de ser um “aventureirismo” e de António Costa ter transformado uma “maioria negativa numa maioria positiva através de uma jogada de cinismo politico”, por se ter recusado negociar com a coligação Portugal à Frente. Telmo Correia encerrou as acusações da direita acusando o governo de transportar “a tralha socrática” e de ser “social-comunista”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *