Autoridade da Concorrência autoriza venda da CP Carga

A Autoridade da Concorrência deu luz verde à MCS Rail para a compra da CP Carga, a estrutura de transportes de mercadorias da CP. Com esta autorização a empresa integra assim o grupo da multinacional suíça MSC, sofrendo alterações profundas em breve.

CP Carga MSCA informação foi avançada pelo semanário Expresso e indica assim que a MSC Rail tem autorização total para finalizar a compra da CP Carga e poder iniciar assim o processo de transformação da empresa, que pretende transformar na líder ibérica do transporte de mercadorias a médio prazo.

O processo de venda tinha ficado concluído em Setembro, durante a legislatura liderada por Pedro Passos Coelho, mas aguardava ainda a autorização da Autoridade da Concorrência para que o processo pudesse ficar concluído e oficializado.

Carlos Vasconcelos, responsável português da MSC disse ao Expresso que a empresa pretendia adquirir ou lançar uma empresa de transporte de mercadorias ferroviárias, com o objectivo de conseguir escoar as cargas que transporta por via marítima para os diversos portos ibéricos onde opera.

A MSC ponderou inclusive lançar uma empresa de raiz, mas assim vai reestruturar a CP Carga. A empresa vai assim mudar de nome e será recapitalizada, sendo também prioridade da MSC adquirir novo material por forma a modernizar a frota de transportes. A ideia da multinacional suíça é aplicar numa primeira fase cerca de 51 milhões de euros, investimento que será aumentado até que a empresa se torne líder ibérica de operações no sector.

Ainda segundo o Expresso, a ideia da MSC é que em três anos o passivo da empresa possa estar totalmente resolvido, sendo que actualmente se cifra nos 120 milhões de euros. Os 95% da CP Carga foram vendidos pelo governo de Passos Coelho e António Pires de Lima por uma quantia de 54 milhões de euros.

Descomplicador:

A Autoridade da Concorrência deu luz verde à venda da CP Carga à multinacional suíça MSC. A empresa pode agora reestruturas a subsidiária da CP, que quer tornar na líder ibérica do sector. A ideia passa ainda por resolver o passivo de 120 milhões em três anos.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *