“É legitima a suspeita de que não é preciso acelerar o processo porque o PS já perdeu”

Foram mais de um milhão e 300 mil espectadores os que assistiram à primeira grande entrevista de José Sócrates depois de ter saído do Estabelecimento Prisional de Évora. O ex-Primeiro-Ministro falou apenas sobre a sua detenção e sobre alguns dos crimes dos quais é acusado numa entrevista que tem continuação hoje também no Jornal das 8 na TVI.

socratesJosé Sócrates começou por reforçar a tese de ausência de provas por parte do Ministério Publico, dizendo que depois deste seu processo, “Portugal não tem autoridade moral para apontar o dedo a ninguém”, estabelecendo o paralelo com o caso do português que esteve detido em Timor sem acusação.

O ex-líder socialista não teve problemas em lançar acusações ao Ministério Publico, que acusou de orquestrar uma “uma brutal campanha de difamação contra mim” e acrescentando que estavam a “aterrorizar” a sua família, razão pela qual regressou a Portugal, para “lhes fazer frente”. José Sócrates disse que no seu entender, “a senhora Procuradora Geral da Republica é a principal responsável por este processo”, numa acusação directa a Joana Marques Vidal.

José Sócrates falou ainda do seu relacionamento com o Grupo Lena, recusando todas as acusações de favorecimento, onde abordou também a participação do grupo nos negócios da Parque Escolar e nas Parcerias Publico Privadas (PPP).

O ex-Primeiro-Ministro lamentou que “o segredo de justiça tenha sido violado desde o inicio”, dizendo ainda que esta “violação se tornou num negócio”. Ainda assim, José Sócrates esperava mais apoio por parte do Partido Socialista, admitindo que o processo acabou por prejudicar o PS e que neste momento “é legitima a suspeita de que não é preciso acelerar o processo porque o PS já perdeu”.

Descomplicador:

José Sócrates deu ontem a primeira grande entrevista após ter saído do Estabelecimento Prisional de Évora. O ex-Primeiro-Ministro relembrou a tese de falta de provas por parte do Ministério Publico e acusou a Procuradora Geral da Republica, Joana Marques Vidal, de ser a principal responsável por este processo, admitindo ainda ter esperado mais apoio por parte do PS.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *