Rui Tavares “passa a pasta” mas mantém-se a trabalhar para o crescimento do LIVRE

O LIVRE foi a eleições no Domingo, 20 de Dezembro e Rui Tavares deixou de ser a cara do partido que criou. O candidato às eleições europeias e cabeça-de-lista por Lisboa nas últimas legislativas mantém-se ligado ao partido e a trabalhar no crescimento do LIVRE, segundo diz ao Panorama, mas ocupa agora a assembleia do partido e não o grupo de contacto, o órgão executivo.

LivreO órgão executivo do partido é agora ocupado por Carlos Pestana, Carlos Teixeira, Eduardo Viana, Florbela Carmo, Isabel Mendes Lopes, Jorge Morais, Jorge Pinto, Mariana Topa, Mariana Santos, Marta Loja Neves, Miguel Dias, Patrícia Gonçalves, Paulo Velez Muacho, Pedro Mendonça e Safaa Dib. Esta lista única apresentou no congresso a moção “Ser Livre”.

O LIVRE comemorou neste congresso realizado ontem, dois anos após a sua fundação e em declarações ao Panorama, Rui Tavares diz que “houve um mandato que chegou ao fim, e não uma saída”, considerando assim a maioria da direcção cessante que “o facto de o partido não ter elegido deputados, sendo negativo, permitiria contudo antecipar uma renovação do executivo partidário”.

Rui Tavares mostra-se ainda “muito satisfeito com a capacidade de renovação que o LIVRE demonstra e conheço bem os elementos da nova direção, que já deram mostras de alta qualidade durante dois anos, como candidatos, organizadores, redatores de programa político, e especialistas em questões setoriais”, garantindo que “as bandeiras do LIVRE — Liberdade, Esquerda, Europa, Ecologia — estão em muito boas mãos durante os próximos dois anos”.

O historiador diz no entanto que “como muitos ex-dirigentes, darei o meu contributo a partir da Assembleia do partido, a cuja coordenação me candidatei”, tendo como objectivo “continuar a dedicar uma boa parte das minhas forças a ajudar crescer o projeto do partido mais democrático e inovador de Portugal”, mostrando-se ainda disponível para ser novamente candidato no futuro, uma situação que “deve ser vista de forma natural” em especial “num partido em que todos se podem candidatar em eleições primárias abertas”.

LIVRE está a preparar-se para se apresentar às próximas eleições

rui tavaresNo balanço destes primeiros dois anos do LIVRE, Rui Tavares sabe que “teria sido bom ter representantes eleitos logo nas primeiras eleições a que concorremos” mas ressalva que “essa não é a trajetória habitual em Portugal”. Ainda assim o cabeça-de-lista por Lisboa nas últimas legislativas acredita que o partido é “provavelmente o único que pensa a democracia a todas as escalas, da local à global, para responder aos problemas do século XXI”, acrescentando que o LIVRE “nasceu para representar um espaço político onde não existia — nem existe — qualquer outro partido, o de uma esquerda libertária, ecológica e cosmopolita, que luta pelas causas progressistas em Portugal e por uma refundação democrática da União Europeia”.

Para o futuro, Rui Tavares disse ao Panorama acreditar que o caminho a percorrer passa por “reforçar a identidade do LIVRE” e “ao mesmo tempo trabalhar para nos enraizar mais ao nível local”, garantindo que o LIVRE se vai apresentar nos próximos actos eleitorais: “estamos muito entusiasmados com o núcleo que nos Açores se prepara para concorrer às próximas eleições regionais, e começaremos desde já a desenhar — de acordo com a moção apresentada pelo novo executivo do partido — a estratégia para as eleições autárquicas”. 

Para o fundador e cabeça-de-lista nas últimas eleições, “o LIVRE tem um caminho para fazer e muito para acrescentar àquilo que em apenas dois anos já deu à democracia portuguesa”.

Descomplicador:

O LIVRE foi a eleições ontem, dois anos após a sua fundação e Rui Tavares deixou de pertencer ao órgão executivo do partido. O cabeça-de-lista por Lisboa nas últimas legislativas ocupa agora um lugar na Assembleia, mas ao Panorama garante continuar a trabalhar no crescimento do partido que fundou e que acredita ocupar um espaço não ocupado em Portugal por nenhum outro partido.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *