2016 é ano de congressos na politica portuguesa

2016 é um ano de grandes continuidades ou de grandes mudanças na politica nacional. Isto porque, praticamente todos os partidos com representação parlamentar vão levar a cabo ao longo de 2016 congressos electivos para escolher os seus líderes para os próximos anos. Para já a continuidade dos principais protagonistas é o mais esperado, mas até à eleição propriamente dita podem existir alterações.

Parlamento Assembleia da RepublicaNo PSD, o Conselho Nacional do partido marcou já a data do próximo congresso para os dias 1, 2 e 3 de Abril, indo decorrer assim praticamente um mês depois das eleições directas, que foram marcadas para 5 de Março. Para já a intenção de Pedro Passos Coelho é a de avançar, pretendendo liderar o próximo ciclo politico na oposição, candidatando-se posteriormente novamente a Primeiro-Ministro aquando do próximo acto eleitoral.

O congresso dos sociais-democratas vai decorrer em Espinho e se tudo correr como espera Passos Coelho será de consagração à sua reeleição, mas outras correntes como a de Rui Rio começam a dar sinal de si e até Março podem decidir avançar. As candidaturas à liderança do PSD estão abertas até ao dia 1 de Março de 2016.

Também em Março/Abril deve decorrer o congresso do CDS. Os centristas vão marcar a sua reunião magna depois das Presidenciais, à semelhança de todos os outros partidos, sendo que para já não é conhecida ainda a data oficial. Este congresso deverá ser marcado num Conselho Nacional a realizar durante o mês de Janeiro e onde deverá ser conhecida a posição inicial de Paulo Portas acerca de uma recandidatura, algo que foi já pedido por alguns sectores do partido.

Mais à esquerda, o Partido Socialista marcou também no sua Comissão Nacional a data do próximo congresso e que vai assim decorrer nos dias 4 e 5 de Junho. Segundo os estatutos este é mais um congresso electivo, no entanto devido à realização das eleições primárias ainda não são conhecidos todos os detalhes acerca deste congresso de 2016. A “nova” equipa da Comissão Permanente do PS, liderada por Ana Catarina Mendes vai definir todos os detalhes durante os próximos meses.

O Partido Comunista Português agendou também a sua reunião magna para 2, 3 e 4 de Dezembro, reunindo assim o seu órgão máximo pela primeira vez desde 2012. O Comité Central do partido definiu assim o congresso para os primeiros dias do último mês do ano. Jerónimo de Sousa não avançou se iria avançar, mas tendo em conta o acordo de governo, não é esperada uma mudança na liderança comunista. O local de realização do congresso ainda não é conhecido.

Por fim, o Bloco de Esquerda é o partido com o calendário interno mais indefinido. Teoricamente o Bloco de Esquerda reúne também a sua convenção nacional em 2016, no entanto em 2014 o órgão máximo do Bloco reuniu em Novembro, o que pode empurrar a reunião de 2016 para o inicio de 2017. Isto porque, olhando até para o calendário do Partido Comunista Português não será fácil para o Bloco marcar a sua reunião magna num espaço temporal já “apertado”.

Descomplicador:

2016 será um ano recheado de congressos partidários. O PSD, o PS e o PCP marcaram já as suas reuniões magnas. O CDS deverá fazê-lo já em Janeiro mas já garantiu que se vai realizar durante 2016. O Bloco de Esquerda é o partido com o calendário interno mais indefinido até ao momento.

 

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *