E ao quarto dia os favoritos são “encostados às cordas”

Ao quarto dia de debates presidenciais os principais favoritos, Marcelo Rebelo de Sousa, António Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém foram “encostados às cordas” e tiveram de se defender e perder tempo em explicações. Marcelo Rebelo de Sousa provocou a indignação de alguma direita com as declarações acerca do aborto enquanto no debate entre Maria de Belém e Henrique Neto as acusações do empresário dominaram o frente-a-frente.

De manhã tinha decorrido aos microfones da Antena 1 o debate com os dez candidatos que teve a duração de duas horas, mas de noite foi Henrique Neto e Maria de Belém que abriram as “hostilidades”. O ex-deputado do PS, camarada de partido de Maria de Belém, começou por dizer que Maria de Belém “é uma candidata da facção contra o Secretário-Geral do PS” acrescentando que não compreende “como é que alguém que já exerceu tantas funções dentro do PS como Maria de Belém se apresenta como candidata independente”.

Henrique NetoNum debate onde Maria de Belém se afirmou como “defensora da estabilidade” e Henrique Neto disse ser favorável a um governo de bloco central, Maria de Belém passou a segunda metade do frente-a-frente à defesa com os ataques de Henrique Neto ao seu desempenho enquanto Ministra da Saúde. O empresário afirmou que o ministério teve problemas durante o mandato de Maria de Belém, recordando também as derrapagens orçamentais durante o primeiro mandato do governo de Guterres.

As criticas e acusações de Henrique Neto a Maria de Belém não ficaram por aqui e o empresário de 79 anos aproveitou a ponta final do debate para criticar o papel de Maria de Belém enquanto presidente da Comissão Parlamentar de Saúde enquanto era consultora do grupo de saúde do Banco Espírito Santo. Maria de Belém ainda tentou defender-se falando no facto de não ter problemas fiscais, numa alusão à Operação Furacão, onde Henrique Neto chegou a ser arguido mas acabou por não ser acusado.

Marisa Matias coloca Marcelo a explicar-se

15m depois do fim do debate entre Maria de Belém e Henrique Neto, foi a vez de Marisa Matias, militante do Bloco de Esquerda colocar Marcelo Rebelo de Sousa, apoiado pelo PSD e pelo CDS, a explicar-se durante quase todo o tempo do debate.

Marisa MatiasA adopção por casais do mesmo sexo e o aborto foram temas fracturantes abordados por Anselmo Crespo, moderador do debate, com Marcelo Rebelo de Sousa a afirmar que “o que interessa é a salvaguarda da criança” e não a “constituição do casal”.

Sobre o aborto, Marcelo Rebelo de Sousa disse que a sua “posição de princípio não era a de penalizar as mulheres”, com Marisa Matias a acusar Marcelo de ter feito o país “perder tempo com a sua vitória no referendo de 1998”. Ainda sobre esta questão, que Marcelo disse “não estar na ordem do dia”, acrescentou que “ao não haver taxas moderadoras no aborto não deviam existir noutras situações, mas está deliberado no cumprimento de uma promessa eleitoral, não vejo como vetar”, apoiando assim a promulgação do diploma, o que provocou horas mais tarde nas redes sociais o espanto e a revolta de vários militantes da direita.

No entanto não foi só nas questões fracturantes que Marisa Matias incomodou Marcelo Rebelo de Sousa. A constitucionalidades dos orçamentos de estado foi também abordada, bem como as declarações a defender a solidez do BES antes da queda do banco. A eurodeputada do Bloco de Esquerda recordou o episódio a Marcelo que disse não lhe caber a si “criar pânico” e acrescentou que se baseou “nas comunicações oficiais para o seu comentário”.

Sampaio da Nóvoa e Edgar Silva encerraram a noite

Sampaio da Nóvoa começou por defender novamente a dimensão de cidadania da sua candidatura mas logo Edgar Silva o acusou de “ter falhado o apoio do Partido Socialista”, com Sampaio da Nóvoa a dizer que não participou apenas em eventos do PS.

Edgar Silva foi questionado sobre a questão dos direitos humanos e da Coreia do Norte, dizendo que era o “último país” onde faria uma visita de estado e assumindo os direitos humanos como uma prioridade do seu mandato. Quanto à intervenção militar o candidato comunista disse apenas que a “Constituição proíbe blocos militares”, pondo assim em causa a existência da NATO.

Descomplicador:

Ao fim de quatro dias de debates os principais favoritos tiveram de passar à defesa com as acusações de Marisa Matias e Henrique Neto principalmente. Marcelo Rebelo de Sousa foi um dos mais criticados após o debate com vários militantes do PSD e do CDS a acusarem-no de traição aos seus valores.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *