Equipa do ISCTE verifica gastos durante a campanha presidencial

A Entidade de Contas e Financiamentos Políticos, que controla os gastos das campanhas eleitorais, vai contar com o apoio de uma equipa de investigadores do ISCTE para analisar os gastos durante a campanha dos dez candidatos presidenciais ao longo destes quinze dias de campanha.

Tribunal ConstitucionalA ideia é que posteriormente exista um cruzamento de dados entre o que foi observado e registado no terreno e o que as candidaturas apresentaram nos orçamentos e nas contas finais da campanha presidencial. Para isso o Tribunal Constitucional “convocou” uma equipa de investigadores do ISCTE para fazer o trabalho no terreno.

As acções de monitorização vão ser realizadas por observação e verificação no terreno, através da contabilização de meios e registo fotográfico, incidindo especialmente nos materiais de campanha utilizados e nas estruturas de maior envergadura e maior valor económico.

Os comícios e jantares serão também as iniciativas a receber maior atenção, com a equipa de investigação do ISCTE a estar atenta ao número de pessoas presentes, aos meios de pagamento, ao aluguer dos espaços e às empresas que prestam os serviços, sejam de catering, como de som e de produção do próprio evento.

Segundo a Agência Lusa, o ISCTE foi a instituição escolhida de entre um leque de três entidades que foram convidadas a apresentar propostas neste sentido. Posteriormente a Entidade de Contas e Financiamentos Políticos fará o cruzamento dos dados para verificar se existiu uma subavaliação ou sobreavaliação das despesas de campanha apresentadas pelas candidaturas.

Para além das actividades de monitorização no terreno, que irão abranger todas as candidaturas, serão também realizadas entrevistas aos mandatários financeiros e directores de campanha, bem como alguma monitorização através das redes sociais. Este tipo de acompanhamento é realizado desde 2005, na primeira vitória de Cavaco Silva.

Descomplicador:

O Tribunal Constitucional contratou uma equipa de investigadores para acompanhar as campanhas eleitorais dos dez candidatos presidenciais. A ideia é registar os gastos diários e em eventos para cruzar os dados com as contas apresentadas pelas candidaturas.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *