Actualizado: Presidenciais – as reacções aos resultados

Ao longo da noite foram várias as figuras politicas e fora da politica que foram reagindo aos resultados eleitorais. O Panorama recolheu algumas dessas reacções, tendo ainda recebido em exclusivo outras. Para já o tom das mensagens é de esperança no mandato de Marcelo Rebelo de Sousa.

Em exclusivo ao Panorama, o ex-eurodeputado e fundador do LIVRE, Rui Tavares disse ontem à noite que “estes resultados mostram que se a esquerda redefinisse a sua estratégia para abordar as eleições presidenciais não estaríamos a entregar pela terceira vez consecutiva a Presidência da República de mão beijada à direita” e que vê “com preocupação alguns sinais de revanchismo da direita, que pretende ajustar o relógio para o tempo antes da convergência de esquerdas”, mostrando-se ainda contente pelo facto de “esta campanha foi o reflexo de uma acção cívica digna e de um candidato muito digno que honraria certamente o cargo da Presidência da Republica”.

João Pedro Vieira AAULO presidente da Associação Académica da Universidade de Lisboa (AAUL), João Pedro Vieira, que trabalhou de perto com Sampaio da Nóvoa, disse também ao Panorama esperar que MRS seja “capaz de corresponder ao mandato que lhe foi atribuído pelos portugueses: ser o Presidente de todos, em todos os momentos”, classificando ainda como surpresas as candidaturas de Sampaio da Nóvoa que  “passou de “candidato desconhecido” ao candidato com o melhor resultado da esquerda desde 2006;  Marisa Matias, que depois de um arranque menos fulgoroso registou um excelente resultado para o Bloco de Esquerda; e Vitorino Silva, com resultados surpreendentes em alguns distritos, sinal de identificação de muitos portugueses com o registo transparente que adoptou”. Para o presidente da AAUL as desilusões foram Edgar Silva e Maria de Belém, numa noite onde a abstenção foi novamente protagonista, sendo assim o momento para fazer “formação e educação cívica para os mais jovens; renovação política e partidária para os mais velhos. Ainda vamos a tempo de reverter este processo de crescente descrença, desinteresse e afastamento da política – mas resta-nos cada vez menos”.

Fora dos circuitos partidários, António Cunha Vaz, responsável pela comunicação da candidatura de Maria de Belém, agradeceu à sua equipa que “se entregou ao projecto, de início ao fim, de corpo e alma”, dizendo ainda que “poderia inventariar uma série de escusas, mais ou menos válidas, para justificar o resultado”, mas que tal não faz o seu “género”, agradecendo ainda a toda a estrutura de campanha e aos jornalistas que a acompanharam.

O humorista Nuno Markl, que pela primeira vez apoiou publicamente um candidato presidencial, segundo diz o próprio, disse ao final da noite que não se “arrependeu” do apoio a Sampaio da Nóvoa e que a razão do seu apoio “está no discurso de “derrota” que ele fez – digno, feliz, positivo, civilizado, genuíno, longe de todos os lugares-comuns deste pântano que é, por vezes, a cena política portuguesa”, dizendo ainda que “a dignidade e a alegria com que este cidadão independente refrescou um panorama político tão viciado e esboçou de forma tão clara a possibilidade de uma alternativa afastada de todos os clichés e ainda assim credível – foi extraordinário”.

Cristóvão Simão RibeiroNas páginas do Facebook, o líder da JSD e cronista do Panorama, Cristóvão Simão Ribeiro, disse que “a vitória em todos os distritos e nas duas regiões autónomas é um resultado fantástico” e que “para mim, pessoalmente, e para os jovens portugueses um momento de satisfação e de renovação da esperança no futuro”, acrescentando agora que “o humanismo, a fraternidade e a experiência política do Prof. Marcelo Rebelo de Sousa estão ao serviço de Portugal”.

Já o Secretário-Geral da Juventude Socialista, que apoiou Sampaio da Nóvoa, João Torres, disse que “Marcelo Rebelo de Sousa venceu as eleições presidenciais e merece uma democrática saudação pelo resultado alcançado”, não escondendo “ainda assim, o meu desapontamento”, acreditando que com “António Sampaio da Nóvoa seria, na Presidência, um exímio defensor da Constituição da República Portuguesa (..) e protagonizou, sem margem para dúvidas, uma candidatura diferente: conseguiu afirmar-se como o mais forte ponto de encontro das esquerdas, sem jamais deixar de ser o mais fiel ponto de encontro de todos os portugueses”.

Actualização: Entretanto a Juventude Popular em comunicado felicitou MRS, “pela sua eleição categórica como Presidente da República”, mostrando-se agradado pelo facto de “o coro das esquerdas não logrou dissuadir a decisão firme dos eleitores moderados, que rejeitaram as utopias e os experimentalismos radicais propostos pelos seus embaixadores” e desejando assim “ver no novo Presidente da República um baluarte de estabilidade em quem possa confiar”.

Tiago Barbosa RibeiroTiago Barbosa Ribeiro, deputado socialista e também cronista do Panorama escreveu também na sua página do Facebook que “a esquerda não conseguiu o objectivo de uma segunda volta contra alguém que esteve anos a laborar mediaticamente uma candidatura”, esperando agora que Marcelo Rebelo de Sousa “ajude a dignificar a Presidência da República”. Numa mensagem onde saudou o facto de Cavaco Silva deixar a Presidência da Republica, disse ainda que “o resultado de Sampaio da Nóvoa confirma a abrangência do candidato que apoiei, que partiu de uma posição que muitos apontavam como outsider e conseguiu uma mobilização eleitoral que, não chegando para uma segunda volta, não deixou de ser impressionante”.

Na ala mais à direita, o deputado social-democrata Duarte Marques resumiu a noite eleitoral em três posts, dizendo que “o PS é o grande derrotado desta eleição”, sendo a “terceira derrota consecutiva de António Costa”, acrescentando que “Marcelo é o único dos principais que quis mesmo ser Presidente, não foi empurrado nem se deixou empurrar por ninguém”. Sobre a vitória de Marcelo, Duarte Marques disse que “os portugueses pensam pela própria cabeça, a opinião dos ex-Presidentes não conta assim tanto” e que “bater no actual Presidente é um erro e não dá votos”. Para o deputado do PSD, “Marcelo ganhou porque foi o único candidato que fez uma campanha como se espera de um Presidente, independente, sem posições radicais, sem se armar em Primeiro-Ministro, respeitando os limites das funções presidenciais”.

Descomplicador:

O Panorama recolheu as reacções de diversos protagonistas políticos, ouvindo ainda em exclusivo o ex-eurodeputado e fundador do LIVRE, Rui Tavares e o presidente da Associação Académica da Universidade de Lisboa que trabalhou de perto com Sampaio da Nóvoa.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *