Governo lança candidatura de Guterres com apoio dos restantes partidos

O governo liderado por António Costa já iniciou o processo de candidatura de António Guterres a Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), candidatura concertada com o PSD num encontro ao mais alto nível entre António Costa e Passos Coelho na Assembleia da Republica e que conta já com o incentivo de outros partidos.

António GuterresA candidatura será oficializada durante o mês de Janeiro, mas as diligências estão já em andamento, com António Costa a ter informado já os restantes partidos, depois de ter conversado pessoalmente com Pedro Passos Coelho. Quem também já declarou o seu apoio foi o CDS que através de Paulo Portas felicitou a iniciativa em “nome dos interesses permanentes do estado português”.

Também o Ministério dos Negócios Estrangeiros está já encarregue de encetar alguns contactos diplomáticos e segundo o jornal Público, Portugal tem já a garantia de que nenhum dos cinco elementos permanentes do Conselho de Segurança da ONU (França, Inglaterra, Rússia, China e Estados Unidos da América) vetará o nome de António Guterres.

Recorde-se que nos últimos anos António Guterres desempenhou o cargo de Alto Comissário para os Refugiados, tendo estado na agenda do dia em especial nos últimos meses do seu mandato. Recorde-se que António Guterres não parte no entanto como favorito, visto que tem existido pressão para que o sucessor de Ban Ki-Moon seja uma mulher. A par de Portugal, também já a Bulgária, Croácia, Macedónia e Eslovénia apoiaram candidaturas.

“Esta não é uma candidatura fácil”

À TSF, António Guterres disse que esta “não é uma candidatura fácil”, mas que está disponível para enfrentar o desafio. Para além disso, o ex-Primeiro-Ministro português disse ainda que “não posso ser contrário à ideia de que também as mulheres têm que ter uma oportunidade em relação aos altos cargos”.

Assim António Guterres parte para este difícil desafio com “uma atitude muito simples: disponibilidade”. Quanto à mais recente questão do Espaço Schengen, Guterres lamenta que “no momento em que os europeus precisavam de se unir, infelizmente continuam a desunir-se, o que é péssimo para os refugiados”.

A eleição para Secretário-Geral da ONU é feita através da Assembleia Geral da organização, depois do nome passar no crivo dos cinco países com assento permanente no Conselho de Segurança da estrutura.

Descomplicador:

O governo de António Costa está já a preparar a candidatura de António Guterres a Secretário-Geral da ONU. António Costa reuniu com Passos Coelho para o notificar desta intenção e conta já com o apoio do CDS, no entanto a eleição será “um processo difícil”, segundo o próprio António Guterres.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *