Vieira da Silva considera que empresas “conseguem suportar o aumento do salário mínimo”

Em entrevista ao Diário de Noticias, o Ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, José Vieira da Silva disse que a “maioria das empresas consegue suportar o aumento do salário mínimo nacional”, ressalvando no entanto que “nalguns sectores podem existir ainda dificuldades”, mas que decorrem das “adaptações das empresas”.

Vieira da SilvaPara Vieira da Silva é mais fácil agora aumentar o salário minimo nacional do que “há cinco ou seis anos”, considerando o ministro socialista que “hoje, para muitas empresas é mais fácil, o que pode parecer um pouco um paradoxo, mas é mais fácil suportar nos seus custos um acréscimo maior a nível salarial porque elas ganharam capacidade competitiva noutras áreas”.

Ainda assim o ministro com a tutela do trabalho, acrescenta que o seu ministério vai “verificar se esta evolução está a causar algum problema ou se está a ser assumida e absorvida pela economia com naturalidade”, registando trimestralmente o desempenho das empresas com a evolução do ordenado mínimo, garantindo ainda que “a conjuntura económica terá de ser considerada” no que toca ao aumento deste valor, em busca do objectivo do governo que é atingir os 600 euros até 2019.

Quanto à Segurança Social, José Vieira da Silva afirma que não tem a “missão” de fazer uma grande reforma no sector e que tal reforma seria “desadequada”, porque “a economia portuguesa e a sociedade portuguesa precisam de estabilizar, precisam de que não se esteja permanentemente a mudar todas as regras”.

A ideia de José Vieira da Silva é que o sector da Segurança Social possa viver como “uma área em que é preciso uma gestão reformista, muito mais do que grandes momentos, grandes acontecimentos de reforma”.

Descomplicador:

O Ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, José Vieira da Silva, disse em entrevista ao Diário de Noticias que considera que a “maioria das empresas consegue suportar o aumento do salário mínimo nacional”, garantindo não ter como objectivo fazer grandes reformas na Segurança Social.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *