Bolsas de estudo no ensino superior – duas décadas depois

A ação social é uma das garantias para a concretização do direito universal à educação. Em contexto de ensino superior, esta tem por objetivo proporcionar aos estudantes melhores condições de estudo, mediante a prestação de serviços (ação social indireta) e a concessão de apoios financeiros (ação social direta), sendo um aspeto central no apoio ao processo educativo e estímulo do sucesso escolar de milhares de estudantes nas últimas décadas.

12787060_1134810789885728_1682118691_oA ação social é um pilar essencial para o processo de mobilidade social, assegurando aos estudantes oriundos de contextos económicos mais desfavorecidos as condições mínimas para chegar com sucesso ao fim da sua formação inicial. Assume um impacto verdadeiramente considerável na vivência quotidiana de milhares de estudantes do ensino superior, bolseiros e não bolseiros, tendo um caráter absolutamente estruturante para a democratização da frequência do ensino superior em Portugal.

E foi por isso que, dado o incontornável papel que as bolsas de estudo no ensino superior representam na vida dos estudantes, a Federação Académica do Porto desenvolveu um estudo com o objetivo de apresentar a evolução histórica dos dados de atribuição de bolsas de estudo desde a publicação do Decreto-Lei n.º 129/93, de 22 de abril, que estabelece as bases para a ação social no ensino superior, desagregada por instituição de ensino sempre que possível bem como analisar os impactos das sucessivas alterações ao quadro legal e regulamentar de atribuição de bolsas de estudo e a formulação dos seus principais elementos, rastreando as diversas soluções definidas ao longo dos anos.

O estudo, agora apresentado, [disponível em: goo.gl/ZuLdKY] revela algumas conclusões interessantes. Por um lado, no cenário macro, podemos afirmar que a atribuição de bolsas é maior, mais célere, mais uniforme mais transparente. Ninguém ignorará que o número de bolseiros praticamente quintuplicou nos últimos 20 anos, sendo dado grande destaque a este investimento nos estudantes do ensino superior.

No entanto, olhando mais proximamente ao cenário pré e pós-2010, o caso afigura-se de forma diferente. A tendência positiva esbate-se dando lugar a um agravamento das condições de acesso a bolsa de estudo, principalmente numa época mais difícil para os estudantes portugueses e suas famílias. Torna-se inequívoco que o patamar de carência económica para ter acesso hoje a uma bolsa de estudo é muito mais severo do que era no passado para receber o mesmo apoio, sendo não só mais exigente no aproveitamento escolar necessário para se aceder a bolsa como também muito mais injusto na contabilização dos rendimentos do agregado familiar.

Bolsas escolares Acção Social Ensino Superior Federação Académica Porto FAP

É possível perceber que há ainda alterações significativas que devem ser operadas no Regulamento de Atribuição de Bolsas a Estudantes do Ensino Superior a fim de o tornar verdadeiramente justo e representativo da realidade. Aproveitando a vontade governativa já expressa de “reforçar a Ação Social Escolar direta, através do aumento do valor das bolsas de estudo e do número de estudantes elegíveis, e da ação social indireta […]”, e tendo a FAP já apresentado um conjunto de medidas que devem ser contempladas para a criação de um sistema de ação social melhor, seria interessante focar primeiramente estes aspetos.

Bolsas escolares Acção Social Ensino Superior Federação Académica Porto FAPAssim, ainda que todas as medidas sejam importantes, a curto prazo, o que mais significativo que se destaca está relacionado com a contabilização dos rendimentos do agregado familiar. Revela-se, assim, que o cálculo da capitação do estudante é influenciado por critérios de injustiça claros relacionados com a contabilização de rendimentos do agregado familiar.

Neste sentido, rejeita a FAP que os valores considerados para o cálculo da capitação sejam ilíquidos, pois os valores que constituem descontos obrigatórios para os regimes de proteção social e outros não estão realmente disponíveis pelas famílias para investimento na educação superior. Daí ser fundamental a consideração dos valores líquidos para que se possa introduzir justiça na avaliação dos bolseiros e das suas reais necessidades.

Publicado por: Daniel Freitas

Presidente da Federação Académica do Porto. Mestre em Engenharia Informática e de Computação pela Faculdade de Engenharia do Porto e actualmente a estudar Engenharia de Serviços e Gestão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *