João Soares é o primeiro ministro a quem é pedido que se demita

Pondo de parte os pedidos do PSD e do CDS para que António Costa não tomasse sequer posse como Primeiro-Ministro, bem como o seu executivo, o Ministro da Cultura, João Soares é o primeiro elemento do executivo socialista a ver dirigida a si uma iniciativa popular a pedir a sua demissão. A petição que o pede tem já mais de um milhar de assinaturas.

João SoaresEm causa está ainda a polémica com a demissão de António Lamas e com a nomeação de Elisio Summaviele como director do Centro Cultural de Belém. A petição que pede a demissão de João Soares no decorrer deste caso conta já com mais de três mil assinaturas e num texto curto e directo pede a António Costa que “peça a urgente demissão de o seu Ministro da Cultura João Soares em nome de mais prósperas entidades culturais no nosso pais”, alegando que o ” Centro Cultural de Belém é uma instituição publica, e nós como Portugueses não aceitamos a hipótese de que o maior centro cultural de Portugal seja usado para interesses próprios”.

Segundo a plataforma, Petição Público, esta petição é a mais activa das últimas horas no site. O Panorama tentou chegar à fala com o/os promotores da petição, mas até ao momento ainda não obteve resposta.

A demissão de António Lamas gerou desconforto até no Bloco de Esquerda, um dos partidos que suporta o governo, e que através do deputado José Soeiro disse entender a demissão mas não a nomeação imediata de Summaviele. O Bloco defende que o Ministério da Cultura deve lançar um concurso público internacional, com a “apresentação de um plano estratégico”. O PS defendeu-se, pela voz de Gabriela Canavilhas, ex-ministra do sector, recordando a “substituição de Mega Ferreira para dar lugar a Vasco Graça Moura”.

João Soares CCB Ministério da Cultura José Manuel Fernandes

João Soares reagiu já a toda a polémica, dizendo ao Observador que está “absolutamente imune e não tenho nada que me pese na consciência”, dizendo ainda estar já “habituado” às criticas. O Ministro da Cultura acrescentou ainda que é “um homem decente e é com decência que trata todos aqueles com quem se relaciona”. Ainda assim, na sua página do Facebook, João Soares ataca um texto de opinião de José Manuel Fernandes, também publicado no Observador, onde acusa o jornalista de ser um “jovem estalinista”, dizendo ainda em jeito de ironia que “há por aí gente que apreciava a qualidade do trabalho do Ministério da Cultura que antecedeu aquele onde tenho responsabilidades”.

Elísio Summaviele tenta começar trabalho sem sobressalto

Enquanto João Soares se vê envolvido em toda esta polémica, o recém-nomeado director do Centro Cultural de Belém tenta começar o seu mandato de forma tranquila, dizendo à TSF ter “as melhores relações pessoais com o Professor António Lamas” e que “o Centro Cultural de Belém teve à frente muitos dirigentes que têm obra consolidada no nosso país”.

Summaviele, que fez a sua carreira no sector cultural ligado à área do património procura agora construir uma programa que agrade ao público mais jovem “e ganhar público para a cultura”. À Agência Lusa, Elisio Summaviele disse gostar “de ver o Centro Cultural de Belém cheio de gente”, acrescentando que “tem de haver uma programação criteriosa, claro, mas abrangente. Acho que os espaços públicos devem ser mais fruídos pelas pessoas, além dos auditórios, dos espaços expositivos e das galerias”.

Descomplicador:

A polémica com a mudança do director do CCB ainda não terminou e resultou já numa petição a pedir a demissão do ministro João Soares. Enquanto isso, Elísio Summaviele tenta começar o seu trabalho sem perturbações.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Há 1 comentário neste artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *