Uber gera controvérsia…até dentro do Governo

A Uber, o sistema de transporte de passageiros que está a gerar polémica com os taxistas, também está a gerar confusão dentro do governo de António Costa. Manuel Caldeira Cabral, Ministro da Economia, começou por dizer que “a concorrência não se anula por decreto”, mas o Ministro do Ambiente, Matos Fernandes, disse dias mais tarde que o sistema “é evidente. é ilegal”. Pelo meio o Secretário de Estado com esta tutela reafirmou a sua opinião contra os taxistas.

Manuel Caldeira CabralNo final de Fevereiro, Manuel Caldeira Cabral mostrou-se cauteloso na gestão das reclamações com a Uber. O Ministro da Economia disse que “a concorrência não se anula por decreto” e que o governo deve “estar aberto a novas formas de concorrência e temos que ter consciência de que não é por decreto que elas são anuladas”. Caldeira Cabral considera que os reguladores não podem “evitar a inovação” e que o governo “não está cá para travar a iniciativa privada, nem proteger interesses corporativos, mas também não estamos para ver concorrência desleal ou concorrência que use novas formas para a evasão fiscal”.

Dias mais tarde, no inicio de Março, o Ministro do Ambiente, Matos Fernandes, defendeu mais controlo e fiscalização à plataforma. Matos Fernandes disse mesmo que era “evidente” que a Uber é “ilegal”, reflectindo assim a posição dos tribunais face ao sistema de transporte de passageiros. O ministro com a tutela do ambiente acrescentou ainda, em resposta ao deputado comunista Bruno Dias, que “não há aqui um libelo contra a tecnologia, mas a lei é clara. O transporte de passageiros só pode ser prestado por operadores de transportes”, sublinhou.

UberAinda assim o elemento mais polémico do governo foi o Secretário de Estado dos Transportes, José Mendes, que viu ser trazido novamente à ribalta um artigo de opinião da sua autoria escrito em 2014, onde classifica os taxistas de serem “pouco sérios” e “pouco educados” e que “para quem oferece um serviço tão desqualificado como o dos taxistas da praça aeroportuária da capital, a ANTRAL devia moderar as suas ameaças”, disse num artigo publicado no Jornal de Noticias.

Confrontado com estas declarações, José Mendes reiterou o que disse anteriormente, mas referiu agora a importância dos táxis na reforma dos sistemas de mobilidade nas cidades, afirmando ao Observador que “todos temos o dever de, serenamente, avaliar o que são as tendências do sector, a evolução da posição dos nossos parceiros europeus, avaliar o interesse público, para, a seu tempo e quando necessário, fazer evoluir a regulamentação”.

Descomplicador:

A Uber, o sistema de transporte de passageiros assente numa aplicação para smartphones está a gerar polémica não só nas ruas mas também dentro do governo, com vários governantes a terem opiniões divergentes.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *