Saída de Cavaco: Quatro dos momentos mais tensos do Cavaquismo

Cavaco SilvaCavaco Silva é provavelmente a maior figura política do país no pós-25 de Abril de 1974. Quer se goste ou não, não há ninguém que tenha passado tanto tempo no poder quanto aquele por que passou este economista, natural de Boliqueime, Algarve. Cinco vitórias em seis eleições disputadas, sendo que em quatro delas o triunfo surgiu sob a forma de maioria absoluta. De uma popularidade que se estendeu a praticamente todo o país a um definhar nos últimos anos, eis o trajecto do homem que disse um dia “não ser um político”. Mas terá alguém sido mais político do que ele? O Panorama recorda aqui alguns dos momentos mais tensos de Cavaco em São Bento, na véspera da sua retirada da Presidência da República, para aquilo que pode vir a ser, o afastamento definitivo de Cavaco da política nacional.

Bloqueio da Ponte 25 de Abril

Para muitos foi este episódio que marcou o início do fim do cavaquismo, em termos de governação. Durante semanas a fio realizaram-se buzinões e outro tipo de protestos efectuados pelos automobilistas, contra o exponencial aumento do valor das portagens anunciado pelo executivo de Cavaco. Contudo, o pior estaria para vir, naquele que foi um dos maiores momentos de desobediência civil em Portugal. Vários camionistas, logo pelo final da madrugada de 24 de Junho de 1994, bloquearam a Ponte 25 de Abril, gerando filas e filas de quilómetros de distância. O país assistiu incrédulo a um dia extremamente tenso, que culminaria com a celebérrima carga policial sobre os manifestantes, acabando mesmo por haver um ferido grave que ficaria paraplégico, depois de ser atingido por uma bala perdida. A verdade é que o Governo voltou atrás na decisão de aumentar o preço das portagens, mas o estrago já estava feito.

Manifestações académicas

Manifestação AcadémicaO último mandato de Cavaco Silva em São Bento também ficou marcado pelas várias polémicas relacionadas com os estudantes universitários, devido ao aumento do custo das propinas. Os Ministro da Educação neste período, Couto dos Santos e Manuela Ferreira Leite, foram sempre alvo da fúria da classe académica, com o auge do diferente a ocorrer em Novembro de 1993, após violentos confrontos entre estudantes e polícia de choque, às portas da Assembleia da República. Também ficou para sempre na retina o “Não pago” inscrito no rabo de vários estudantes, algo que originaria o famoso a famosa expressão “geração rasca”.

Secos e Molhados

A 21 de Abril de 1989, em plena Praça do Comércio, deu-se uma das manifestações mais célebres que o nosso país já viveu, que opôs polícias… a polícias. De um lado agentes da PSP revoltados, exigindo melhores condições de trabalho, que acabariam por ficar completamente “molhados” por força da acção com recurso a jactos de água… dos seus colegas, os “secos”. Este icónico momento proporcionou algumas imagens impressionantes, numa altura em que Cavaco Silva governava a seu bel-prazer, fruto de uma maioria absoluta obtida dois anos antes.

Cavaco vs Soares

Mário Soares Cavaco SilvaEntre 1986 e 1991 tudo parecia encantado entre Cavaco Silva e Mário Soares, Primeiro-Ministro e Presidente da República, respectivamente. Mas o último mandato de ambos seria marcado por um evidente clima de crispação, muito devido às famosas “Presidências Abertas” do fundador do PS, que fizeram chegar à casa dos portugueses imagens que muitos desconheciam. Ora, essa “pressão” sobre São Bento teve os seus custos, tendo influência nos últimos anos da governação de Cavaco, bastante atribulados. Quem não se lembra do recurso à expressão “forças de bloqueio” e do vigoroso desabafo “deixem-nos trabalhar!”por parte do dirigente do PSD? Dois gigantes, duas cores políticas, um efervescer que se adivinhava.

Descomplicador:

Cavaco Silva termina hoje um ciclo de cinco eleições ganhas e quatro maiorias absolutas. O Panorama recordou alguns dos momentos mais polémicos dos seus mandatos, embora os momentos mais quentes se tenham vivido enquanto desempenhava as funções de Primeiro-Ministro.

xlhvve@grandmasmail.com'
Publicado por: João Rodrigues

26 anos, natural das Caldas da Raínha. Finalista de Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social. Foi coordenador de Desporto na ESCS FM no ano 2013/2014, mantendo actualmente um programa na grelha da rádio. É ainda repórter na JVG TV e sou redactor do site desportivo “Bola na Rede”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *