O primeiro de muitos

José Pedro MozosO Panorama comemora hoje o seu primeiro aniversário. Uma meta simbólica que nos orgulha e que nos enche de vontade de continuar a fazer mais e melhor. Mas mais do que os 365 dias que se passaram desde o lançamento do site até hoje, queria realçar o facto de o Panorama ter superado as expetativas iniciais e ter feito com que cada um de nós superasse as suas próprias.

Mas há uma parte do trabalho que não está publicada no nosso site. Falo, por exemplo, das decisões que temos de tomar a nível editorial, que raramente geraram uma discussão, pois todos queríamos a melhor solução, mas que muitas vezes obrigavam a termos de abdicar de outros programas para nos sentarmos em redor de uma ou outra mesa para falar de futuro.

Um futuro que é incerto. É-o por definição mas sobretudo e também pela realidade que se vive hoje em dia. No jornalismo, os desafios que se vivem são muitos e inéditos. Infelizmente, a área a que nos dedicamos está a atravessar uma crise há já alguns anos. No entanto, o formato digital oferece um conjunto de soluções que nos pode ajudar a fazer mais e melhor. Mas certamente também contribui para que possamos fazer diferente. E é aí que queremos investir e com isso que queremos tentar inovar. Sempre com o princípio de informar como objetivo maior.

Foi essa a missão que tivemos desde o início. Não estabelecemos outro objetivo que não fosse o de informar, com rigor, os nossos leitores de uma forma alternativa. Queríamos cativar um público jovem, dando voz àqueles que muitas vezes não têm a atenção necessária para serem ouvidos. Tentámos fazê-lo e esperamos ter cumprido com isso

Também na política se vivem tempos novos. Interessantíssimos de acompanhar de perto, no terreno. Mas que nos põem à prova. E é também com orgulho que verificamos que, melhor ou pior, fomos conseguindo superar as barreiras que fomos tendo ao longo do caminho.

Mas também tenho de sublinhar o esforço que foi feito por cada um dos que contribuíram para o projeto. A nível individual, cada um teve de pôr o Panorama como prioridade em vários momentos, sem receber nada por isso. Com o único propósito de informar, muitas vezes saímos de casa ou de uma esplanada para ir cobrir uma conferência, fazer uma entrevista ou sair em reportagem.

Esta é uma plataforma que tem vindo a crescer e isso deve-se em grande parte ao esforço que cada um pôs neste projeto. E também por isso estamos orgulhosos. Sabemos que temos de melhorar, que temos falhas que temos de corrigir. E encaramos isso como um desafio interessante e motivador.

Criar um projeto jornalístico-político nos dias que correm é, por isso, uma missão ambiciosa. A política e o jornalismo são áreas que têm estado a conhecer mudanças, evoluções e desafios. Mas isso só nos pode motivar e orgulhar ainda mais. Cada dia mais. O Panorama foi para mim a prova de que se pode ter uma ideia e pô-la em andamento, derrubando todas as adversidades que se anunciem à partida.

O desafio agora é maior. O de continuar a fazer crescer o projeto sem ceder a facilitismos, desfiando-nos a cada passo e desenvolvendo as nossas capacidades, mantendo-nos sempre fieis aos princípios que nos levaram a criar o Panorama.

365 dias depois, sei que nos continuaremos a sentar à volta de uma ou outra mesa. A mesa pode não ser a mesma, pode variar. Mas o motivo, esse, será sempre o mesmo: falar de futuro.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH – Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *